Conheça IBM Mayflower – um navio autônomo com Linux

A IBM quer criar uma embarcação independente para futuras viagens marítimas chamado IBM Mayflower, que será um navio autônomo com Linux. Conheça melhor esse projeto.

Certamente o nome Mayflower lhe parece familiar, uma viagem marítima que agora tem 400 anos, ou seja, data de 1620.

Conheça IBM Mayflower – um navio autônomo com Linux

Agora, esse nome foi recuperado pela IBM para nomear um projeto em andamento e os testes começarão em maio, com uma viagem planejada para 16 de setembro de 2020.

Conheça IBM Mayflower – um navio autônomo com Linux

A IBM deseja criar um navio independente para futuras viagens marítimas. Este seria o primeiro navio completo e não tripulado que poderia atravessar o Atlântico partindo de um porto em Playmouth, no Reino Unido, para Massachusetts.

Dessa maneira, ele entraria em um mercado suculento de muitos bilhões de dólares para mudar o futuro naval.

E o que isso tem a ver com Linux ou código aberto? Bem, a verdade é que ele tem muito a fazer, desde o uso de bancos de dados de código aberto, até o próprio sistema operacional que comandará esse navio, e que não é outro senão o Red Hat Enterprise Linux.

Você já sabe que a IBM comprou a Red Hat, portanto, não é surpreendente que ela use esse sistema para seu projeto Mayflower.

A descrição do projeto no site da IBM diz o seguinte:

“O navio autônomo Mayflower partirá em setembro de 2020, 400 anos após o primeiro Mayflower, e desta vez a IA e outras tecnologias avançadas estarão no comando. O objetivo? Para desvendar os segredos dos mares (sujos) e, finalmente, ajudar a resolver os obstáculos de pesquisa mais críticos no campo dos plásticos oceânicos.”

“O navio autônomo Mayflower usará os servidores IBM, Watson AI, tecnologias de computação em nuvem e de borda da IBM para navegar autonomamente e evitar os riscos oceânicos, desde Plymouth, na Inglaterra, até Plymouth, Massachusetts. Se for bem-sucedido, será um dos primeiros navios de tamanho autônomo a cruzar o Oceano Atlântico e abrirá a porta para uma nova era de navios de pesquisa autônomos.”

“A embarcação levará três cápsulas de pesquisa contendo uma série de sensores e instrumentação científica que os cientistas usarão para avançar o entendimento em várias áreas vitais, como segurança cibernética marítima, monitoramento de mamíferos marinhos, mapeamento do nível do mar e plásticos oceânicos. O trabalho será coordenado pela Universidade de Plymouth, Reino Unido, que está na vanguarda da pesquisa marítima e marítima, com apoio da IBM e ProMare.”

Características técnicas do IBM Mayflower

Se você quiser saber mais detalhes sobre este barco autônomo, aqui estão algumas das características técnicas notáveis:

  • Sistema de IA complexo que a IBM vem desenvolvendo e alimentando seus algoritmos com modelos para que possa tomar as decisões necessárias para navegar pelos mares sem a necessidade de um capitão de carne e osso.
  • Eles usaram mais de um milhão de imagens náuticas coletadas por câmeras de Plymouth Sound Bay e uma grande quantidade de dados armazenados em seus bancos de dados de código aberto.
  • Como cérebro computacional, possui um processador IBM POWER AC922 para aprendizado de máquina.
  • Além disso, ele usará a tecnologia de visão computacional IBM PowerAI Vision. É capaz de detectar e classificar independentemente outros navios avistados, bóias marítimas, obstáculos, quebra-mares, etc.
  • A largura de banda durante a viagem através do Atlântico não será muito alta, embora use conectividade para a computação de borda que usa.
  • O sistema operacional, como eu disse, será baseado no Red Hat Enterprise Linux.
  • Possui vários dispositivos Xavier NVIDIA a bordo, para torná-lo mais poderoso e inteligente.
  • O IBM ODM (Operational Decision Manager) governa o sistema de gerenciamento para que ele possa seguir autonomamente os Regulamentos Internacionais para a Prevenção de Colisões no Mar (COLREG), estimados pela Convenção Internacional para a Segurança da Vida Humana no Mar (SOLAS).
  • Radar capaz de detectar perigos a 4 km.
  • Proteção contra ameaças cibernéticas.
  • AIS ou Sistema de Identificação Automática para receber informações sobre classe, velocidade, peso, carga, etc., dos navios.
  • Sistema GPS para navegação. Dessa forma, a IA sempre saberá sua localização exata, rumo, velocidade e curso.
  • A Weather Company fornecerá dados meteorológicos e do estado do mar via satélite.
  • Sensores para avaliar o estado do mar, ondas, profundidade da água usando um medidor de gordura e outros para fornecer informações sobre carga, energia, consumo, etc.

https://youtu.be/m6iHZlkg6TQ
Para saber mais detalhes sobre esse projeto, acesse a página dele no site da IBM.

O que está sendo falado no blog

Categorias Linux, Notícias, Open Source, RedHat, Software livre Tags autônomo, embarcação, IBM, Mayflower, navio, projeto

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Sair da versão mobile