Do not speak Portuguese? Translate this site with Google or Bing Translator

Como assistir Netflix no Linux sem complicações

Conheça a história do mais famoso serviço de streaming da atualidade e veja como assistir Netflix no Linux sem complicações.

O Netflix é a mais antiga das plataformas de vídeo sob demanda e é sem dúvida a que inventou o negócio. Atualmente, o Netflix pode ser visualizado no Linux com qualquer navegador que suporte o player HTML5, embora plug-ins adicionais possam precisar ser instalados

O Google não inventou o negócio de buscadores, nem é o mais antigo, mas é a empresa que domina o mercado. Essa combinação significa que, se você pesquisar no Google “Como assistir Netflix no Linux”, os primeiros resultados que você vê estão completamente desatualizados.

A verdade é que assistir Netflix no Linux não tem muitos segredos, e vou falar sobre os poucos que existem neste artigo.

Como assistir Netflix no Linux sem complicações

Como assistir Netflix no Linux sem complicações
Como assistir Netflix no Linux sem complicações

Indo um pouco mais longe do que costumamos publicar, este artigo não trata apenas de você copiar, colar e executar comandos no terminal, mas também entenda o que está fazendo e suas consequências. De qualquer forma, você pode ir para a próxima seção onde estão as instruções.

Assistir Netflix no Linux é muito fácil. Mas fazer isso acontecer exigia muita deliberação, ferindo mortalmente um produto líder em uma grande empresa de computadores e uma mudança de opinião no executivo de outra.

A história da visualização de vídeos na web começou com um software chamado Future Splash, que incluía ferramentas de animação para uma web que consistia basicamente em texto e fotos.

Para ver essas animações, era necessário um visualizador especial que fosse distribuído com os principais navegadores da época. Adquirido pela Macromedia, seu nome foi abreviado para Flash e se tornou o padrão para reprodução de conteúdo multimídia na web.

Em 2004, o Flash incluiu suporte completo para vídeo e, em 2007, tornou-se a tecnologia escolhida por três engenheiros e um investidor para alimentar um serviço de visualização de vídeos produzidos e enviados por usuários. Nós o conhecemos como Youtube e agora é de propriedade do Google.

Em 2007, a Microsoft lançou sua própria tecnologia de streaming de mídia conhecida como Silverlight. Embora nunca tenha sido muito popular entre os usuários, foi escolhido por muitas empresas e organizações para transmitir conteúdo protegido por direitos autorais. Uma delas foi a Netflix.

É por isso que em muitos dos tutoriais sobre como assistir Netflix no Linux, você descobrirá que é solicitado a instalar algo chamado Moonlight (a versão do Silverlight para Linux). Atualmente você não precisa fazer isso.

Quando os dispositivos móveis inteligentes começaram a se tornar populares, a Adobe (que havia comprado a Macromedia) tentou portar o Flash sem muito sucesso.

Steve Jobs, que queria garantir o monopólio da distribuição de aplicativos para seus aparelhos, usou isso como desculpa para se livrar de uma tecnologia que permitia aos desenvolvedores comercializar aplicativos sem dividir os lucros com a Apple.

A Apple, juntamente com Mozilla e Opera, vinha trabalhando com o apoio do World Wide Web Consortium, entidade que supervisiona a evolução dos padrões web, em uma nova versão do HTML, a linguagem que define a estrutura de uma página web.

Conhecida como HTML 5, essa nova versão, juntamente com o uso de Javascript e CSS3, tinha os recursos de multimídia e interatividade do Flash, mas consumindo menos recursos e sendo padrões abertos, você não precisava pagar uma licença à Adobe para usar um programa específico.

O HTML 5 era tão bom no que fazia que a Microsoft abandonou o Silverlight e se tornou fã de padrões abertos da web.

DRM

Para evitar o uso e distribuição não autorizados, os criadores e provedores de conteúdo usam soluções de software, o DRM. Então, o Flash ainda tinha um ponto positivo (para criadores e distribuidores de conteúdo).

DRM (Digital Rights Management) significa Gerenciamento de Direitos Digitais.

Essa gestão consiste no uso de tecnologia para controlar e gerenciar o acesso a materiais protegidos por direitos autorais. Trata-se de restringir o acesso e distribuição do referido conteúdo ao que é permitido pelo titular desses direitos.

Em geral, o uso de DRM consiste no uso de código de computador que desativa a cópia de conteúdo ou limita o número de dispositivos a partir dos quais um produto pode ser acessado, aplicativos que restringem o que os usuários podem fazer com seu material ou criptografia, que só pode ser acessado por quem possui a chave de descriptografia.

Através do uso de DRM consegue-se:

  • Limitar a capacidade dos usuários de editar, salvar, compartilhar, encaminhar, imprimir ou fazer capturas de tela do conteúdo.
  • Definir prazos para o acesso do usuário ao conteúdo.
  • Definir limitações de acesso por localização geográfica.
  • Colocar marcas d’água que indiquem a quantidade de conteúdo.

Após muita discussão, o W3C aprovou uma extensão chamada Encrypted Media Extensions (EME) que permitia que tecnologias DRM fossem incorporadas em conteúdo exibido em players baseados em HTML 5.

A Netflix começou a testá-la em dispositivos móveis em 2013 e depois estendeu para sua versão Web.

Como assistir Netflix no Linux

Netflix-web é um aplicativo com falha da loja Snap que faz pouco mais do que visualizar o catálogo da Netflix, mas não permite a reprodução.

Assistir à Netflix no Linux é tão simples quanto escolher o navegador de sua preferência (Firefox, Chrome, Opera, Vivaldi ou Brave são alguns dos compatíveis) e acessar o site da Netflix.

Em seguida, digite seu nome de usuário e senha. Uma janela pop-up pode abrir pedindo permissão para instalar um plugin. Aceite a instalação e, após finalizada, caso não feche e reabra automaticamente o navegador. Com isso, você poderá ver o conteúdo sem inconvenientes.

Deve-se mencionar que, por não ter um aplicativo Linux nativo, você só terá acesso às possibilidades do web player. Ou seja, por exemplo, você não poderá assistir filmes ou séries offline.

Nenhum deles existe, pelo que eu saiba. aplicativos de terceiros que permitem download (além de captura de tela via software ou hardware. O que existe são aplicativos da web que consistem em pouco mais que um navegador que leva você diretamente à página.

Algumas delas são:

  • Netflix-web: Não há muito a dizer sobre este aplicativo, exceto não se preocupe em instalá-lo Seu desenvolvedor nem se preocupou em preencher uma descrição e não ativou a opção de visualizar conteúdo protegido no navegador, então é apenas bom ver o catálogo e executar funções administrativas.
  • ElectronPlayer: Se você assiste conteúdo no Netflix, YouTube, Twitch, Floatplane e Hulu, provavelmente se interessará por este aplicativo que oferece acesso rápido a todos esses sites. Muito melhor programado que o anterior, permite optar pela opção de tela cheia, determinar o serviço com o qual iniciar e ocultar o menu. Em qualquer caso, ainda é um navegador.
  • Netflix viewer é um aplicativo padrão da Netflix que os usuários de desktop podem acessar facilmente e adicionar aos favoritos. Na verdade, ele é o site da Netflix como um aplicativo Linux;

Kodi

Kodi é um software que permite transformar seu computador em uma central multimídia completa.

Disponível para Windows, Mac e Linux (com certeza está nos repositórios de sua distribuição) possui complementos que ampliam sua funcionalidade.

Um deles permite que você assista à Netflix. Nesse caso, é um plugin não oficial, portanto, o tutorial a seguir não inclui garantias.

Observe que os nomes das seções podem ser diferentes em diferentes variantes do espanhol.

  1. Instale o Kodi a partir do gerenciador de pacotes da sua distribuição.
  2. Clique no ícone de engrenagem (canto superior esquerdo)
  3. Ative Mostrar notificações.
  4. Ative Fontes Desconhecidas.
  5. Baixe a versão apropriada do plug-in.
  6. Clique no ícone de engrenagem.
  7. Clique em Complementos. (Segundo botão da primeira linha)
  8. Clique em Instalar a partir de arquivos zip.
  9. Encontre o arquivo e pressione para instalá-lo.
  10. Clique em Instalar de repositórios.
  11. Clique no Repositório CastagnaIT para Kodi.
  12. Selecione Complementos de vídeo.
  13. Escolha Netflix.
  14. Clique em Instalar.
  15. Toque em OK.
  16. Volte para a tela principal e clique em Add-ons.
  17. Toque em Netflix.

Alternativas ao Netflix sem DRM

Sem surpresa, a incorporação de tecnologias DRM em padrões da web não agradou à comunidade de software livre e de código aberto.

Como essas tecnologias limitam severamente os direitos dos usuários finais, são realizadas campanhas para combater seu uso e evitar a assinatura de serviços como o Netflix que os utilizam ativamente.

Como alternativa, eles sugerem o consumo de conteúdo dos seguintes sites que não aplicam tais restrições:

  • Archive.org Movie Archive : Uma coleção de filmes e vídeos clássicos e recentes.
  • Miro Guide : Catálogo de podcasts e vídeos.
  • PeerTube : Plataforma de compartilhamento de vídeo federado com base em princípios de software livre. Há instâncias que cobrem muitos tópicos diferentes.
  • Wikimedia Commons : site de armazenamento de conteúdo de mídia da Wikipedia .
  • CinéMutins : Cinema independente com temática social em francês.
  • Funimation : Site de streaming de anime japonês e inglês . Não está disponível em todos os países.
  • GOG.COM :  Portal de vendas de filmes e jogos . Os jogos, embora não possuam DRM, nem sempre são softwares livres.
  • Highspots.com : conteúdo de luta livre e artes marciais mistas.
  • RiffTrax : Portal para assistir a filmes e discuti-los com amigos.
  • VRV : Conteúdo de ficção científica, anime e cultura tecnológica. Restrito por áreas geográficas.
  • Wakanin : Seleção de animes dublados e legendados. Geograficamente restrito.

Finalmente, caso seja realmente necessário, aqui no Blog te os tutriais abaixo que mostram como instalar certas “dependências”:
Como instalar o Chromium FFmpeg codecs no Linux via Snap e ver Netflix
Como instalar suporte ao Netflix, Prime Video, Spotify no Linux (DRM via Widevine)

Sobre o Edivaldo Brito

Edivaldo Brito é analista de sistemas, gestor de TI, blogueiro e também um grande fã de sistemas operacionais, banco de dados, software livre, redes, programação, dispositivos móveis e tudo mais que envolve tecnologia.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.