Do not speak Portuguese? Translate this site with Google or Bing Translator

Desenvolvedor do Hiri conta sua experiência de vender aplicativos para Linux

Uma leva de programas comerciais estão chegando ao Linux e o desenvolvedor do Hiri conta sua experiência de vender aplicativos para Linux. Confira!


Alguns novos usuários de Linux demoram um pouco para entender que o livre não significa grátis. Com a ascensão de lojas como a Snap Store, isso está mudando.

Desenvolvedor do Hiri conta sua experiência de vender aplicativos para Linux
Desenvolvedor do Hiri conta sua experiência de vender aplicativos para Linux

Sim, é verdade que a grande maioria do softwares livres é gratuita, e não é muito comum você ter que meter a mão no bolso para comprar algum aplicativo.

A razão disso é que, em geral, sempre existem alternativas de qualidade para quase tudo, de modo que os nichos de negócios geralmente são limitados a soluções muito específicas.

Agora, uma série de programas comerciais estão chegando ao Linux. Um exemplo é o Hiri, um cliente de e-mail, proprietário e pago, cuja virtude mais proeminente é o suporte ao Microsoft Exchange e ao Office 365.

Desenvolvedor do Hiri conta sua experiência de vender aplicativos para Linux

Cerca de um ano e meio atrás o Hiri veio para o Linux e recentemente o co-fundador da produtora desse software, David Power, contou a sua experiência de vender aplicativos para Linux, revisando como tem sido a atividade comercial de sua empresa neste sistema.

A empresa publicou a primeira versão do Hiri para Linux, principalmente porque seus desenvolvedores queriam, e aproveitou a oportunidade para testar o terreno.

O primeiro contato não foi muito otimista: apresentar o aplicativo no Reddit gerou interesse, mas a tônica nos comentários foi sobre como seria difícil para eles venderem o Hiri no Linux, já que era um software de código fechado.

Seis meses depois, a Canonical entrou em contato com eles para incentivá-los a lançar o Hiri como Snap. Como resultado da “insistência da Canonical (no bom sentido, que é)”, o Hiri foi uma das primeiras aplicações comerciais a entrar na Snap Store.

David diz que a maior parte dos downloads do Linux vem da loja Snap e também através da loja de aplicativos do Ubuntu, o que aproxima o software do público que não o conhecia e que, portanto, ele não irá para o site da empresa para baixar o pacote genérico.

Mesmo assim, a maioria dos usuários que compram a versão para Linux deve-se ao boca-a-boca, ao contrário do que acontece no Windows ou Mac.

Ou seja, existem usuários de Linux que estão dispostos a pagar por um aplicativo, mesmo quando é um software proprietário, e existem alternativas gratuitas, desde que estas forneçam o devido valor agregado.

Sobre isso, David Power disse o seguinte:

“De um ponto de vista financeiro, eu acho que você pode fazer uma vida vendendo apenas software aos usuários do Linux. O mercado é definitivamente grande o suficiente para sustentar um negócio como o nosso.”

No entanto, o fator de licenciamento pesa muito quando se trata de promover o produto e “esse é um problema específico do Linux”, disse David Power.

Será que por ser um software proprietário, muitos usuários nem sequer considerarão seu uso e muitas mídias irão ignorar qualquer informação sobre ele. A resposta para isso seria abrir o código?

Bom. Depois de conhecer melhor o mundo livre, eles o estão estudando, embora isso ainda não seja urgente para eles.

Outro aspecto que têm valorizado o ecossistema Linux é a importância que eles dão segurança aos usuários e privacidade. David Power explica que é algo que já estava bem amarrado no Hiri, cujo cliente trabalha diretamente com o servidor de correio.

No entanto, eles pararam de enviar a mensagem típica de boas-vindas para novos usuários com dicas para começar a usar o aplicativo, porque “isso não é um problema para usuários de Windows e Mac, mas é demais para o pessoal do Linux”. Bingo!

David Power complementou dizendo:

“A coisa mais surpreendente e encantadora dessa viagem tem sido o feedback dos usuários do Linux. […] Sua generosidade, seu conhecimento e sua disposição em nos ajudar a refinar os erros, aceleraram o ritmo de desenvolvimento e aprendem dramaticamente. Tanto assim, que se eu criar outro produto, ele será lançado primeiro para o Linux.”

Por fim, David Power deixa uma lista de dicas para aqueles que estão pensando em lançar seu aplicativo comercial no Linux, incluindo a abordagem da Canonical, onde eles ajudarão na distribuição via Snap e darão visibilidade a eles; estar em contato com a comunidade e cuidar das relações com os usuários; ou, também no sentido de se darem a conhecer, abordar a mídia especializada, já que “não há escapatória”.

E você? o que acha da chegada de programas comerciais nas lojas de aplicativo das distribuições Linux.

Veja também

Como instalar o cliente de email Exchange e Office 365 Hiri no Linux

O que está sendo falado no blog

Compartilhe:
Sobre o Edivaldo Brito

Edivaldo Brito é analista de sistemas, gestor de TI, blogueiro e também um grande fã de sistemas operacionais, banco de dados, software livre, redes, programação, dispositivos móveis e tudo mais que envolve tecnologia.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.