Do not speak Portuguese? Translate this site with Google or Bing Translator

Fedora propôs remover as bibliotecas de 32 bits desnecessárias

Para tornar mais fácil a manutenção a distribuição, o projeto Fedora propôs remover as bibliotecas de 32 bits desnecessárias.

O Fedora propôs remover mais pacotes compilados para 32 bits para tornar a distribuição mais fácil de manter, embora veremos até onde as circunstâncias permitem que eles cheguem.

Fedora propôs remover as bibliotecas de 32 bits desnecessárias

Fedora propôs remover as bibliotecas de 32 bits desnecessárias
Fedora propôs remover as bibliotecas de 32 bits desnecessárias

A intenção dos responsáveis ​​pelo Fedora é eliminar gradativamente os pacotes de 32 bits que estão obsoletos, algo lógico se levarmos em conta a abordagem da distribuição e o fato de ter retirado as compilações completas do sistema há 3 anos. x86 32 bits.

Tudo começou com a sugestão de descartar as compilações de 32 bits do OpenJDK versões 8, 11 e 17 (a versão gratuita do Java) para a versão 37, um ponto que posteriormente foi expandido para qualquer área.

A partir da distribuição, eles explicaram através do wiki oficial que:

“parar as compilações i686 de pacotes não utilizados liberará recursos do gerador Koji (pacote RPM). Além disso, o suporte à compilação de 32 bits está começando a ser descartado pelos projetos upstream, e as restrições de recursos das arquiteturas de 32 bits (ou seja, limites de memória total e por processo) também dificultam cada vez mais a compilação de grandes bibliotecas ou aplicativos.”

O Fedora pretende tornar o processo de descontinuação do i686 mais fácil para os mantenedores, não precisando fazer um anúncio ou postar no rastreador de bugs e sem exigir que eles corrijam as deficiências ou limitações resultantes.

Lembre-se, remover um pacote compilado para x86 de 32 bits tem que ser uma coisa factível, já que tal movimento pode quebrar algum aplicativo importante.

No tópico em que foi proposta a ideia que nos interessa neste post, você pode ler vários usuários mencionando que as bibliotecas de 32 bits ainda são necessárias para o Steam e o Wine.

No cliente da plataforma Valve temos que o próprio aplicativo é compilado para x86 32 bits e muitos jogos antigos que não foram recompilados, enquanto no Wine há a forte presença de aplicativos Windows compilados para a arquitetura mencionada.

Se alguém se aprofundar no tópico, pode-se ver que a compilação cruzada foi sugerida como uma solução para suporte de 32 bits, mas parece que isso não é viável nas circunstâncias atuais dos pacotes RPM no Fedora.

Como podemos ver, o x86 de 32 bits ainda tem muita corda, especialmente vendo quanto software legado as pessoas esperam rodar em um processador Intel ou AMD.

Até hoje, o Workstation continua sendo a edição de referência do Fedora para desktop, portanto, a manutenção das compilações de bibliotecas x86 de 32 bits continuará sendo responsabilidade dos mantenedores da distribuição.

No entanto, a remoção do suporte a RPM de 32 bits deve ser mais viável nas edições Silverblue e Kinoite, pois elas dependem muito mais do Flatpak. Em outras palavras, o suporte x86 de 32 bits seria servido em um formato Flatpak.

Sobre o Edivaldo Brito

Edivaldo Brito é analista de sistemas, gestor de TI, blogueiro e também um grande fã de sistemas operacionais, banco de dados, software livre, redes, programação, dispositivos móveis e tudo mais que envolve tecnologia.