Kernel 6.7 RC1 lançado com suporte a bcachefs file system, e mais

E foi lançado o Kernel 6.7 RC1 com suporte a bcachefs file system, e mais. Confira as novidades e veja como testá-lo em seu sistema.

O Kernel Linux é um núcleo monolítico de código aberto para sistemas operacionais tipo UNIX, sendo normalmente disponibilizado compilado na forma de distribuições Linux, e embarcados em diversos dispositivos como roteadores, pontos de acesso sem fio, PABXs, receptores de televisão, Smart TVs, DVRs, e dispositivos de armazenamento em rede.

Além disso, os sistemas operacionais Android para Tablets, Smartphones, e Smartwatches utilizam serviços providos pelo núcleo Linux para implementar as suas funcionalidades.

Agora, o desenvolvimento do kernel Linux continua com o kernel 6.7, o próximo grande lançamento do kernel esperado para o final do ano, e Linus Torvalds acaba de anunciar a disponibilidade do primeiro marco do Release Candidate (RC) para testes públicos.

Novidade do Kernel 6.7 RC1

Kernel 6.7 RC1 lançado com suporte a bcachefs file system, e mais
Kernel 6.7 RC1 lançado com suporte a bcachefs file system, e mais

A maior mudança no kernel Linux 6.7 é a implementação do sistema de arquivos bcachefs, um sistema de arquivos copy-on-write (COW) para sistemas operacionais baseados em Linux, que foi projetado para competir com os recursos modernos oferecidos pelos sistemas de arquivos Btrfs e ZFS, ao mesmo tempo que possui a velocidade e o desempenho dos sistemas de arquivos EXT4 e XFS.

O Kernel 6.7 RC1 também promete suporte para firmware GSP da NVIDIA no driver gráfico de código aberto Nouveau, que será usado apenas em hardware onde GSP (GPU System Processor) não é suportado, sendo opcional em hardware onde já é suportado.

Existem muitas atualizações de rede no Linux 6.7, como suporte para desencapsulação GRO para IPsec ESP em UDP, suporte para resolução usec de carimbos de data e hora TCP que são habilitados seletivamente por um atributo de rota, suporte para opção de autenticação TCP (RFC 5925, TCP-AO ) como um substituto mais moderno para a opção MD5, suporte para envio de skbs fragmentados por soquetes vsock e suporte MCTP por I3C.

Além disso, há suporte para netlink GET para MDB (encaminhamento multicast) para permitir que o espaço do usuário solicite uma única entrada MDB em vez de despejar a tabela inteira, aumentou o desempenho do fluxo TCP único em uma NIC de 200 Gbit em 20%, adiando o TCP ACK regular durante o processamento do soquete backlog, bem como suporte para rcvlowat e notsent_lowat em soquetes MPTCP para ajudar os aplicativos a limitar o número de ativações.

O agendador de pacotes Fair Queuing (FQ) recebeu prioridade de 3 bandas integrada e agendamento WRR, suporte para bypass e melhor relatório de fluxo inativo.

O suporte a instruções de CPU BPF v4 foi adicionado para plataformas ARM32 e s390x, juntamente com a capacidade de fixar o temporizador BPF na CPU atual e ganchos sockaddr cgroup BPF estendidos para soquetes UNIX.

As adições de rede continuam com suporte para kptr local por CPU para permitir a alocação e armazenamento de objetos por CPU em mapas, suporte para vários leitores de fila de eventos de carimbo de data/hora PTP com filtros diferentes, suporte para liberação seletiva de FDB no driver de túnel VXLAN, bem como suporte para permitir a limitação de entradas FDB aprendidas em pontes para evitar ataques OOM.

Existem vários novos recursos para o sistema de arquivos Btrfs no Linux 6.7, como raid-stripe-tree, uma nova árvore para mapeamento lógico de extensão de arquivo onde o mapeamento físico pode não corresponder em vários dispositivos, contabilidade de cota simples (squota) e temporário sistema de arquivos fsid (temp_fsid).

O sistema de arquivos Btrfs também recebeu melhorias de desempenho para reduzir o tempo de exclusão de arquivos em 12% para arquivos com muitas extensões, reduzindo as reservas para exclusões de soma de verificação e para reduzir o tempo de execução de funções críticas em 5%, tornando as mesclagens de estado de extensão mais eficientes durante as inserções.

O sistema de arquivos EXT4 recebeu melhorias em seu alocador multibloco e manipulação otimizada de blocos de dados liberados em seu mecanismo de commit para evitar possível contenção de bloqueio no spinlock s_md_lock.

Além disso, o superbloco de backup do EXT4 foi aprimorado para atualizar melhor após redimensionamento online ou ao atualizar o rótulo ou UUID.

O suporte ao sistema de arquivos exFAT foi atualizado com suporte a ioctls para obter e definir atributos de arquivo que são usados no utilitário fatattr, bem como uma nova opção de montagem zero_size_dir para alocar um cluster ao criar um diretório.

Por outro lado, o sistema de arquivos F2FS recebeu maior suporte para tamanho de página, alterando o tamanho do bloco interno alinhado ao tamanho da página e melhorou o suporte ao dispositivo de bloco zoneado em relação à recuperação de desligamento.

O Kernel 6.7 RC1 também adiciona suporte de rede inicial para Landlock (ligação TCP e controle de acesso de conexão), suporte para patches HDA, correções Thunderbolt/USB4 para suportar novos tipos de hardware e dispositivos, permite que todos os drivers de mídia usem kAPI VB2 em vez do antigo núcleo V4L2 videobuf kAPI, que foi removido, porta autofs para a nova API de montagem, registro CephFS atualizado e suporte para máscaras de bits de capacidade não contíguas para implementação CAT da Intel.

O Linux 6.7 torna o LoongArch uma arquitetura suportada para KVM (máquina virtual baseada em kernel) e também adiciona suporte para PREEMPT_DYNAMIC com chaves estáticas e suporte para instruções de CPU BPF v4 à arquitetura LoongArch.

Para plataformas ARM, o KVM agora oferece suporte convidado para instruções de operação de memória. Além disso, o KVM obteve suporte para as extensões Smstateen e Zicond, bem como virtualização senvcfg.

O suporte ao Rust foi atualizado para o Rust 1.73.0 e o IBT agora está habilitado por padrão, se também estiver habilitado em C.

O suporte ARM64 foi expandido com novas definições HWCAP e suporte para PMUs Ampere SoC, enquanto a plataforma ARM recebeu suporte para uma unidade de processamento de dados da AMD/Pensando e um novo alto-falante baseado em RISC-V. dispositivo final da Sophgo.

O AppArmor obteve suporte inicial para mediar a criação de io_uring e usuários, uma nova restrição que restringe o uso de change_profile e algumas otimizações para reduzir gargalos de desempenho que foram encontrados ao recuperar o secid da tarefa atual e alocar buffers de trabalho.

Para a arquitetura RISC-V, o kernel Linux 6.7 adiciona suporte para cbo.zero no espaço do usuário, suporte para CBOs em sistemas baseados em ACPI, suporte para pilhas de chamadas de sombra de software, suporte para lidar com acessos desalinhados no modo S, suporte para muitas novas relocações no carregador de módulo e melhorias nas operações de liberação de cache T-Head.

Além disso, há um console de depuração SBI virtualizado (DBCN) para RISC-V em KVM.

O suporte de criptografia no Linux 6.7 recebeu uma nova interface lskcipher baseada em endereço virtual, desempenho AES/XTS aprimorado de desenrolamento de 6 vias para PPC, suporte FIPS 202 SHA-3 em PKCS1Pad e caminho rápido para mensagens de página única na criptografia de disco Adiantum e algoritmo de descriptografia.

Como esperado de qualquer nova ramificação do kernel Linux, o suporte de hardware ganha um impulso. Linux 6.7 promete suporte para plataformas AMD com chips de som es83xx, AMD ACP 6.3 e 7.0, Awinc AT87390 e AW88399, suporte de som para muitas plataformas Intel e MediaTek, plataformas Qualcomm SM6115 e SC7180, chips de som Richtek RTQ9128 e Texas Instruments TAS575x, também como SoCs Qualcomm SDM670 (MDSS) e SM7150.

O suporte SVA para AMD IOMMU também foi adicionado, os SoCs Amlogic C3 e S4 agora são suportados pelo Watchdog, o suporte inicial ao Intel Lunar Lake também está disponível, enquanto o suporte ao Intel Meteor Lake foi promovido para estável e a AMD adicionou mais algumas plataformas de hardware futuras, incluindo GC 11.5, DCN 3.5, VPE 6.1, NBIO 7.11 e DML2.

O suporte de hardware no Linux 6.7 também traz mais adições USB Type-C de novos drivers, suporte de rastreamento expandido XHCI, suporte USB “La Jolla Cove Adapter (LJCA)”, suporte para novas plataformas USB dwc3, uma peculiaridade DMI para máquinas HP Omen, firmware melhoria de detecção para Lenovo cptkbd, suporte para leitura de endereço MAC auxiliar durante passagem em dispositivos Lenovo Thinkpad, bem como correções de suspensão/retomada para teclados ThinkPad Compact.

Para completar, há um novo driver EDAC para o controlador de memória integrado Versal da Xilinx, uma nova ligação de árvore de dispositivos para o conversor elevador Monolithic Power (MPS) MP3309C, peculiaridades de luz de fundo do “fornecedor” para 3 tablets Lenovo x86 Android, um EC GPE peculiaridade de detecção para o notebook HP 250 G7, bem como substituição ACPI IRQ para laptops TongFang GMxXGxx/TUXEDO Stellaris/Polaris Gen5.

A próxima versão do kernel Linux 6.7 também permitirá que o Linux lide nativamente com erros de protocolo de link CXL sinalizados via PCIe AER para plataformas CXL da geração atual, atualizações NFSv4.1 para lidar com erros NFS4ERR_DELAY durante o entroncamento de sessão, suporte a montagens idmapped no CephFS,

O lançamento final do kernel Linux 6.7 está previsto para o final de dezembro de 2023 ou início de janeiro de 2024, o que dependerá totalmente de quantos marcos do Release Candidate (RC) Linus Torvalds anunciará até então ou se ele estiver muito ocupado com as celebrações da véspera de Ano Novo .

Poderíamos esperar que o Linux 6.7 chegasse em 31 de dezembro (véspera de Ano Novo) se Linus Torvalds anunciar sete versões Release Candidate ou em 7 de janeiro se oito Release Candidates forem anunciados até então.

Tenho a sensação de que a data de lançamento em 31 de dezembro pode não acontecer, mas será um ótimo presente de Ano Novo se acontecer.

Enfim, o lançamento final está previsto para 31 de dezembro (réveillon) ou 7 de janeiro, dependendo de quantos RCs serão anunciados até então.

Os primeiros usuários que desejam testar o kernel Linux 6.7 podem baixar o primeiro marco do Release Candidate (RC1) agora mesmo (links mais abaixo).

Atenção! Lembre-se de que esta é uma versão de pré-lançamento, portanto, não a instale ou use em uma máquina de produção!

Como instalar ou atualizar o kernel

Como de costume, você pode fazer o download do último kernel a partir do kernel.org ou use um desses tutoriais:
Como instalar o Ubuntu Mainline Kernel Installer no Ubuntu e derivados
Usando o Ubuntu Kernel Update Utility para atualizar o kernel do Ubuntu
Como instalar a versão mais recente do Kernel nos sistemas baseados em RPM

E se depois você quiser remover os kernel antigos, use esse tutorial:
Como remover kernels antigos no Ubuntu ou Linux Mint com segurança

Sobre o Edivaldo Brito

Edivaldo Brito é analista de sistemas, gestor de TI, blogueiro e também um grande fã de sistemas operacionais, banco de dados, software livre, redes, programação, dispositivos móveis e tudo mais que envolve tecnologia.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

Bloqueador de anúncios detectado!!!

Nosso site precisa de publicidade para existir. Por favor, insira-o na lista de permissões/lista branca para liberar a exibição de anúncios e apoiar nosso site. Nosso conteúdo é GRATUITO, e tudo o que pedimos é isso!
Powered By
Best Wordpress Adblock Detecting Plugin | CHP Adblock