Pessoas com Covid-19 não conseguem mais contaminar após 11 dias de infecção

Confira os detalhes do anúncio de que alguns pesquisadores de Cingapura descobriram que pessoas com Covid-19 não conseguem mais contaminar após 11 dias de infecção!

Alguns pesquisadores de Cingapura descobriram que pessoas com Covid-19 não conseguem mais contaminar após 11 dias de infecção.

Uma nova pesquisa descobriu que os pacientes com a Covid-19 não conseguem espalhar a doença após 11 dias de infecção pelo vírus, mesmo que os próprios pacientes tenham um resultado positivo.

Este novo detalhe sobre o Coronavírus foi revelado por pesquisadores de Cingapura em um artigo científico conjunto, informou o The Straits Times.

Pessoas com Covid-19 não conseguem mais contaminar após 11 dias de infecção

Pessoas com Covid-19 não conseguem mais contaminar após 11 dias de infecção
Pessoas com Covid-19 não conseguem mais contaminar após 11 dias de infecção

Pesquisadores da Academy of Medicine in Singapore (Academia de Medicina de Cingapura) e do National Centre for Infectious Diseases (Centro Nacional de Doenças Infecciosas) se reuniram para revelar suas novas descobertas.

O estudo foi realizado em 73 pacientes em Cingapura. Os pesquisadores descobriram que em um paciente 11 dias após a infecção, o teste de Coronavírus foi positivo. No entanto, as amostras de vírus não puderam ser isoladas ou cultivadas nesses pacientes.

Segundo o estudo, os pacientes com coronavírus se tornam infecciosos dois dias antes de mostrar os sintomas. Eles permanecem infecciosos 7 a 10 dias após o aparecimento dos sintomas.

Os cientistas observaram que a taxa de multiplicação do vírus diminuiu após a primeira semana de infecção e parou completamente após a segunda semana.

Onze dias após a infecção, os pacientes apresentam dois sintomas significativos: tosse frequente e alta temperatura. No entanto, neste momento, o paciente não consegue mais espalhar o vírus.

A nova pesquisa pode ter um impacto significativo na política de alta de pacientes de vários países, incluindo Cingapura.

A maioria das nações exige que os cidadãos testem negativo antes da alta. No entanto, de acordo com um estudo recente do CDC coreano, esse método de categorização de pacientes com coronavírus pode ser falso.

Nas últimas notícias, cientistas de todo o mundo descobriram que alguns pacientes com coronavírus podem apresentar sintomas mais graves do que outros. E isso é devido a cicatrizes imunológicas.

Além disso, as empresas farmacêuticas e de biotecnologia também estão trabalhando na vacina contra o Coronavírus, que planejam liberar até o final deste ano.

Enquanto isso, Sunny Xie, um pesquisador e sua equipe no Centre of Genomics at Peking University (Centro de Genômica da Universidade de Pequim), na China, estão trabalhando em um medicamento contra o coronavírus indicado para um lançamento no final de 2020.

Segundo Xie, após injetar o medicamento Coronavírus em camundongos, “a carga viral foi reduzida em um fator de 2.500, o que significa que esse medicamento tem um efeito terapêutico”.

Ele também disse que se eles injetassem a droga em camundongos não infecciosos, permaneceriam imunes ao coronavírus.

Embora diferentes empresas tenham concorrência entre si quando se trata de encontrar uma cura para o coronavírus, quase todas concordam que o sucesso múltiplo é tão essencial aqui como sempre.

O que está sendo falado no blog

Veja mais artigos publicados neste dia…