Do not speak Portuguese? Translate this site with Google or Bing Translator

Port do postmarketOS permitirá converter o Kobo Clara HD em um tablet Linux com tela E Ink

Um novo port do postmarketOS permitirá converter o Kobo Clara HD em um tablet Linux com uma tela E Ink, por um custo de apenas US$ 120.

O Kobo Clara HD é um eReader com tela E Ink de 6 polegadas e software da Kobo projetado para ler eBooks. Mas, graças a um novo port em andamento do postmarketOS para o dispositivo, agora você pode usar o Kobo Clara HD como um tablet Linux com uma tela E Ink.

Port do postmarketOS permitirá converter o Kobo Clara HD em um tablet

Port do postmarketOS permitirá converter o Kobo Clara HD em um tablet Linux com tela E Ink
Port do postmarketOS permitirá converter o Kobo Clara HD em um tablet Linux com tela E Ink

Sim. O novo port do postmarketOS permitirá converter o Kobo Clara HD em um tablet. Essa novidade poderia tornar este dispositivo, que é vendido por US$ 120, um gadget muito mais versátil.

Dito isso, sempre haverá algumas limitações ao executar aplicativos de desktop ou móveis em dispositivos com monitores E Ink, e a instalação do postmarketOS baseado em Linux requer a abertura do gabinete e a substituição do software pré-instalado, então há uma chance de que você pode bagunçar seu dispositivo. Portanto, proceda com cautela.

Port do postmarketOS permitirá converter o Kobo Clara HD em um tablet Linux com tela E Ink
Port do postmarketOS permitirá converter o Kobo Clara HD em um tablet Linux com tela E Ink

O Kobo Clara HD não é um dispositivo particularmente poderoso para os padrões dos tablets. Ele tem um processador de núcleo único Freescale Solo Lite de 1 GHz, 512 MB de RAM e 8 GB de armazenamento. O eReader é compatível com WiFi 4 (802.11b/g/n) e possui uma porta micro USB para alimentação e dados.

Mas também tem uma tela sensível ao toque E Ink de 1448 x 1072 pixels de 6 polegadas que pode exibir uma imagem estática indefinidamente, ser vista facilmente sob a luz solar direta e que só consome energia quando o conteúdo da tela é atualizado (ou quando você está usando a luz frontal para iluminar o visor).

Isso significa que a duração da bateria é medida em semanas em vez de horas, e muitos leitores preferem E Ink a telas LCD ou OLED, já que podem causar menos esforço para os olhos.

O desenvolvedor jetomit explica que, para instalar o postmarketOS no dispositivo, você precisa abrir a caixa, remover o cartão SD que funciona como seu armazenamento e executar comandos que substituirão o sistema operacional Kobo padrão no cartão pelo postmarketOS baseado em Linux.

Embora o postmarketOS tenha sido originalmente desenvolvido para smartphones (com o objetivo de estender a longevidade dos telefones mais antigos depois que seus fabricantes pararem de enviar atualizações), ele foi baixado para uma gama mais ampla de dispositivos, incluindo tablets e agora eReaders.

A versão para o Kobo Clara HD inclui um kernel Linux mainline, bem como o kernel específico do fornecedor da Kobo e patches de Andreas Kemnade.

O desenvolvedor do PostmarketOS, Martijn Braam, postou um vídeo mostrando o software em execução no eReader da Kobo.

YouTube video

WiFi, toque e outros recursos básicos parecem funcionar, mas a interface do usuário não é otimizada para monitores ePaper, portanto, alguns elementos da interface do usuário parecem instáveis ​​e a tela pode demorar um pouco para atualizar.

Mas… agora é pelo menos teoricamente possível transformar o Kobo Clara HD em um tablet Linux.

E agora que os primeiros passos foram dados, se houver interesse suficiente dos desenvolvedores, é possível que possamos ver algum software específico do ePaper desenvolvido para este ou outros sistemas operacionais baseados em Linux para o Kobo Clara HD ou outros dispositivos E Ink.

Você pode encontrar mais detalhes sobre esta construção na solicitação de mesclagem postmarketOS de jetomit.

Agora que o novo Port do postmarketOS permitirá converter o Kobo Clara HD em um tablet, para quem ficou na dúvida se vale o investimento, quero lembrar que leitores de e-books são isentos de taxação, pois o STF deu a essa categoria de dispositivo imunidade tributária, portanto, eles podem ser importados sem pagar impostos.

Compartilhe:
Sobre o Edivaldo Brito

Edivaldo Brito é analista de sistemas, gestor de TI, blogueiro e também um grande fã de sistemas operacionais, banco de dados, software livre, redes, programação, dispositivos móveis e tudo mais que envolve tecnologia.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.