Do not speak Portuguese? Translate this site with Google or Bing Translator

Stripe também suspendeu seus serviços para Donald Trump

Indo na mesma direção que algumas empresas de tecnologia seguiram nos últimos dias, a Stripe também suspendeu seus serviços para Donald Trump.

Recentemente surgiram notícias sobre a decisão que algumas redes sociais tomaram de suspender a conta do presidente Donald Trump, após os violentos acontecimentos no Capitólio.

Agora, a plataforma Stripe aderiu a essa iniciativa e não processará mais os pagamentos da campanha do presidente Trump, que continuou a arrecadar fundos.

Stripe também suspendeu seus serviços para Donald Trump

Stripe também suspendeu seus serviços para Donald Trump

Stripe é a empresa fintech que gerencia pagamentos com cartão para milhões de empresas online e plataformas de comércio eletrônico, incluindo o site da campanha de Donald Trump.

Com este movimento, Stripe cortou uma fonte lucrativa significativa de receita para suas operações políticas e decidiu proibir a conta de campanha do presidente por violar sua política contra o fomento da violência.

Isso significa que o site da campanha do presidente não terá mais acesso aos serviços do processador de pagamentos, o que impedirá a campanha de Trump de receber doações.

Stripe exige que os usuários consentam em não aceitar pagamentos por atividades de “alto risco”, incluindo para qualquer empresa ou organização que “envolva, incentive, promova ou celebre a violência ilegal ou dano físico a pessoas ou mercadorias”, dependendo de sua política de uso.

A empresa já havia desativado contas como resultado de atos violentos. Depois que um atirador matou 11 pessoas em um ataque a uma sinagoga de Pittsburgh em 2018, Stripe fechou a Gab.com (a plataforma de mídia social de direita na qual o suposto atirador postou mensagens anti-semitas).

A campanha de Trump recebeu mais de US$ 1,8 milhão em Stripe no ciclo eleitoral de 2020, de acordo com os registros da Comissão Eleitoral Federal.

A campanha de Trump e a operação política no mês passado relataram arrecadar mais de US$ 207 milhões entre o dia da eleição e o início de dezembro, enquanto inundava apoiadores com e-mails e mensagens de texto pedindo doações para ajudar a contestar os resultados das eleições.

Portanto, a campanha de Trump lançou uma campanha de arrecadação de fundos para lidar com a infinidade de ações judiciais movidas pelo presidente contra os estados do país.

Quase todas as ações foram indeferidas, mas o esforço levantou centenas de milhões de dólares para o Partido Republicano.

No entanto, uma parte cada vez maior do dinheiro foi para um comitê de ação política de liderança que Trump criou para ajudar a financiar suas atividades pós-Casa Branca.

O movimento da Stripe segue um movimento semelhante por várias outras empresas que cortaram laços com Trump ou legisladores republicanos envolvidos na contestação da recontagem dos resultados eleitorais.

Citigroup(C), Marriott (MAR), Commerce Bank e BlueCross BlueShield estão entre as maiores empresas que anunciaram que suspenderão suas contribuições para o PAC aos legisladores que tentaram reverter os resultados eleitorais.

As empresas de tecnologia que administram a maioria das transações financeiras online decidiram bloquear o presidente.

Shopify e PayPal foram os primeiros a reprimir os extremistas entre os apoiadores do presidente Trump que participaram do motim.

O PayPal desativou as contas de certos grupos de apoiadores de Trump que usaram fintech de transferência de dinheiro para coordenar os pagamentos para proteger as ações dos desordeiros no Capitólio.

A empresa vem reprimindo ativamente os ativistas de extrema direita há algum tempo. Após os protestos em Charlottesville e os tumultos que se seguiram em 2017, a empresa baniu várias organizações de extrema direita. Por enquanto,

Por enquanto, na última quinta-feira, o Shopify anunciou que removeria as vitrines das campanhas de Trump e a marca pessoal de Trump.

Esta é uma mudança de política da empresa, que anos atrás disse que não iria moderar sua plataforma, mas nos últimos anos cortou algumas lojas controversas, como algumas lojas da direita em 2018.

Por fim, se quiser saber mais sobre o assunto, pode consultar a nota original no seguinte endereço.

Compartilhe:
Sobre o Edivaldo Brito

Edivaldo Brito é analista de sistemas, gestor de TI, blogueiro e também um grande fã de sistemas operacionais, banco de dados, software livre, redes, programação, dispositivos móveis e tudo mais que envolve tecnologia.

Sair da versão mobile