Twitter proibirá os anúncios políticos em sua plataforma a partir de 22 de novembro

Confira os detalhes do anuncio de que o Twitter proibirá os anúncios políticos em sua plataforma a partir de 22 de novembro!

O CEO do Twitter, Jack Dorsey, anunciou que o Twitter proibirá os em sua a partir de 22 de novembro.

As empresas de mídia social se tornaram alvo de críticas nos últimos anos, principalmente quando o conteúdo postados nelas envolve líderes mundiais como o presidente Donald Trump, que usava a linguagem do assédio ou da violência nas redes sociais.

Twitter proibirá os anúncios políticos em sua plataforma a partir de 22 de novembro
Twitter proibirá os anúncios políticos em sua plataforma a partir de 22 de novembro

Além disso, há muito se suspeita que suas “normas” não se apliquem a toda a comunidade, pois geralmente os discursos de políticos são oficialmente isentos dos padrões de verificação.

E é que o CEO do Twitter, Jack Dorsey, aparentemente analisou a controvérsia em torno das atuais transmissões políticas do Facebook e decidiu que ele não o desejava isso em sua plataforma, e então anunciou sua decisão de interromper toda a publicidade política do Twitter a nível mundial.

Twitter proibirá os anúncios políticos em sua plataforma a partir de 22 de novembro

O anúncio do Twitter surge em meio a uma reação contra a publicidade política na UE, com crescentes preocupações sobre o uso indevido de plataformas para fins políticos.

No início desta semana, a Comissão chamou a atenção para várias deficiências na moderação da desinformação e nas notícias falsas nos ecossistemas da plataforma, nas primeiras análises anuais do código de práticas contra a desinformação.

Ele apresentou esta decisão como uma oportunidade para qualquer pessoa com uma mensagem em vez de uma penalidade e acrescentou:

“Uma mensagem política está ganhando força quando as pessoas decidem seguir uma conta ou retuitar. Pagar para alcançar uma audiência elimina essa decisão, forçando mensagens políticas altamente otimizadas e específicas. Acreditamos que esta decisão não deve ser comprometida por dinheiro.”

Em um tópico, ele explicou os motivos da decisão, dizendo que, embora a publicidade na Internet seja eficaz para anunciantes comerciais, ela traz riscos significativos à política.

A proibição se aplica não apenas aos candidatos e suas campanhas, mas também aos “anúncios” de qualquer grupo, acrescentou Dorsey, dizendo que:

“Eles constituem uma maneira de evitar a proibição da publicidade política e constituiriam uma situação na qual ‘todos, exceto os candidatos’, poderiam pagar para ter seu ponto de vista sobre um tópico promovido.

Neste último, ele enfatizou como o Facebook zombou dos usuários:

“Por exemplo, não é credível dizer: ‘Estamos trabalhando duro para impedir que as pessoas de jogar com nossos sistemas para espalhar informações enganosas, mas se alguém está nos pagando para atingir e forçar as pessoas a ver a sua publicidade política … bem … você pode dizer o que quiser!'”


Segundo ele, não se trata de liberdade de expressão aqui:

“Trata-se de pagar para alcançar uma audiência. E pagar para aumentar o escopo do discurso político tem consequências importantes que a atual infraestrutura democrática pode não estar pronta para lidar. Vale a pena dar um passo para trás para pensar melhor.”

Os analistas não esperam que a proibição, que entrará em vigor em 22 de novembro, reduza significativamente as atividades do Twitter.

Essa posição se opõe diretamente ao líder das redes sociais Facebook, que isenta explicitamente as publicações e anúncios de políticos dos padrões de sua comunidade e do processo de verificação de fatos.

O CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, mostrou repetidamente a posição de sua empresa diante de uma onda de críticas de legisladores, candidatos políticos e até funcionários. Em uma audiência no Congresso na semana passada.

Embora o Facebook tenha anunciado esforços para combater informações errôneas depois que foi relatado que a propaganda na qual a Rússia estava envolvida em sua plataforma teve um impacto nos resultados das eleições presidenciais de 2016 nos Estados Unidos, vencidas por o agora presidente Trump.

O Facebook, no entanto, decidiu não verificar os anúncios distribuídos pelos políticos, provocando a ira dos candidatos presidenciais democratas em 2020, como o ex-vice-presidente Joe Biden e a senadora Elizabeth Warren.

Se você quiser saber mais sobre o encadeamento, verifique-o no seguinte endereço.

O que está sendo falado no blog

No Post found.

Veja mais artigos publicados neste dia…

Ajude a manter o Blog do Edivaldo - Faça uma doação

Se você gosta do conteúdo do Blog, você pode ajudar a manter o site simplesmente fazendo uma doação única, esporádica ou mensal, usando uma das opções abaixo:

Doação usando Paypal

Doação usando PagSeguro
Outras formas de ajudar a manter o Blog do Edivaldo