Não desinstale o Ubuntu, apenas mude a interface parte 11 – BlackBox

O Linux tem diversas opções de ambientes gráficos e como o Ubuntu é um Linux, isso é diferente para ele. Uma prova disso é que já falamos de dez deles e ainda tem muitos outros. Hoje veremos mais um leve e interessante que pode substituir o principal do Ubuntu, caso você esteja satisfeito com ele.  Mas, mesmo que você esteja satisfeito, que tal apenas experimentar?

5441


Veja também




BlackBox

O BlackBox se destaca pela sua leveza, sendo ideal para quem usa computadores com poucos recursos e não quer abrir mão de uma gráfica. Mas ele também pode ser usado em computadores potentes tendo um desempenho melhor que a maioria dos outros ambientes gráficos. Ele é muito minimalista em sua abordagem como um gerenciador de janelas, tanto não que traz ícones e atalhos de teclado, manuseio, menus chamativos, ferramentas e gadgets. Todos estes estão disponíveis através de ferramentas ferramentas de terceiros e add-ons, que você pode adicionar ao seu ambiente como quiser.   Ele não tem barra de tarefas, assim, se você minimizar uma janela, ela fica completamente escondida fora do ambiente de trabalho e você pode recuperá-lo a partir de um menu de contexto do desktop. Entretanto, barras de tarefas também podem ser adicionadas, por meio de ferramentas de terceiros. O ambiente fez tanto sucesso gerou alguns projetos derivados que se propuseram a continuar sua linha inicial de desenvolvimento. Esses ambientes derivados serão vistos mais adiante.

Assim como o ambiente, sua instalação no Ubuntu é muito fácil, acompanhe:

Passo 1. Feche todos os seus aplicativos em execução;

Passo 2. Abra um terminal;

Passo 3. Atualize o Apt digitando o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora instale o ambiente com o comando:

sudo apt-get install blackbox

Saia da sessão atual, escolha esse ambiente na tela de login e entre com seu usuário e senha para entrar na nova sessão. Só não esqueça de comentar sobre sua experiência com esse ambiente para que os outros leitores se informem.


Entenda melhor essa história:

Não desinstale o Ubuntu, apenas mude a interface parte 1 – Gnome Classic
Não desinstale o Ubuntu, apenas mude a interface parte 2 – KDE Plasma ou Kubuntu
Não desinstale o Ubuntu, apenas mude a interface parte 3 – MATE
Não desinstale o Ubuntu, apenas mude a interface parte 4 – Xfce
Não desinstale o Ubuntu, apenas mude a interface parte 5 – Cinnamon
Não desinstale o Ubuntu, apenas mude a interface parte 6 – LXDE
Não desinstale o Ubuntu, apenas mude a interface parte 7 – Gnome 3
Não desinstale o Ubuntu, apenas mude a interface parte 8 – Razor-qt
Não desinstale o Ubuntu, apenas mude a interface parte 9 – E17
Não desinstale o Ubuntu, apenas mude a interface parte 10 – WindowMaker
Não desinstale o Ubuntu, apenas mude a interface parte 11 – BlackBox
Não desinstale o Ubuntu, apenas mude a interface parte 12 – Fluxbox
Não desinstale o Ubuntu, apenas mude a interface parte 13 – Openbox
Não desinstale o Ubuntu, apenas mude a interface parte 15 – Awesome WM

Edivaldo

Edivaldo Brito é analista de sistemas, gestor de TI, blogueiro e também um grande de fã de sistemas operacionais, banco de dados, software livre, redes, programação, dispositivos móveis e tudo mais que envolve tecnologia.

Website: http://www.edivaldobrito.com.br



blog comments powered by Disqus