Do not speak Portuguese? Translate this site with Google or Bing Translator

4 grandes distribuições que moldaram o mundo Linux

Tudo que temos hoje é resultado de pessoas e inovações, e para entender isso, conheça as 4 grandes distribuições que moldaram o mundo Linux.

O mundo Linux é incrivelmente diversificado, mas começou com algumas grandes distribuições Linux.

E este artigo se concentrará em cada um deles, dando-lhes todo o respeito que merecem. Todas são distribuições criadas do zero, tornando-as uma das chamadas distribuições originais do Linux, que não são baseadas em nada antes delas.

4 grandes distribuições que moldaram o mundo Linux

Atualmente, existem centenas de distribuições Linux ativas, mas apenas algumas delas podem ser descritas como as mães e pais de tudo o que conhecemos hoje como Linux.

Eles são aqueles que lançaram as bases sobre as quais quase todas as distribuições Linux hoje estão. Amados por alguns ou odiados por outros, eles são os ombros sobre os quais o mundo Linux moderno se apoiou para chegar onde está hoje.

Dito isso, Conheça as 4 grandes distribuições que moldaram o mundo Linux.

Slackware Linux

4 grandes distribuições que moldaram o mundo Linux
4 grandes distribuições que moldaram o mundo Linux

Há uma boa razão pela qual estamos começando nossa lista com esta distribuição. Lançado em 1992 por Patrick Volkerding, o Slackware é a distribuição Linux mais antiga do mundo.

A mera menção deste fato é suficiente para encerrar sua apresentação, e ainda teremos todos os argumentos para que ele mereça seu devido lugar na história do Linux. Mas vamos em frente.

Dois anos depois que o jovem estudante finlandês da Universidade de Helsinque, Linus Torvalds, anunciou seu hobby projeto chamado Linux, o Slackware entrou em cena com seu lançamento inicial 1.00 em 17 de julho de 1993. E que aparência!

Até meados da década de 1990, o Slackware tinha cerca de 80% do mercado Linux. No entanto, no mundo de código aberto, dominado pelos sistemas baseados em UNIX incrivelmente estáveis, o Slackware começou a pavimentar o caminho para o Linux como um sistema operacional orientado a servidor, embora novo e confiável.

No entanto, a popularidade da distribuição começou a declinar mais tarde, quando o Red Hat Linux chegou ao horizonte em 1995, e o Slackware não é mais tão popular quanto antes.

Claro, ainda é uma distro Linux top – mas como o Slackware foi projetado para ser altamente personalizável e robusto, em vez de amigável, sua popularidade sofreu.

Mas, ao mesmo tempo, essa é provavelmente a coisa mais incrível dessa distro. Desde seu primeiro lançamento, 30 anos atrás, até hoje, o Slackware ainda é Slackware. O instalador é o mesmo que era então.

Além disso, a funcionalidade geral de todo o sistema operacional segue de perto a filosofia e os princípios estabelecidos desde o primeiro dia de sua criação.

Em todos esses anos, o Slackware Linux não mudou sua abordagem com o objetivo de ganhar popularidade como a maioria das distribuições Linux fazem hoje em dia – instaladores gráficos úteis, gerenciadores de pacotes convenientes e ambientes de desktop polidos.

Não, ainda depende da estabilidade do sistema e exige que o usuário conheça cada elemento. Além disso, o Slackware se recusa a sucumbir às tendências tecnológicas gerais entre as distribuições Linux.

Então, por exemplo, você não encontrará systemd aqui. Em vez disso, o sistema usa um sistema de scripts BSD-init para inicializar a si mesmo.

Além disso, há algo inédito para usuários acostumados a gerenciadores de pacotes convenientes como APT, DNF e Pacman. O sistema de pacotes do Slackware não suporta dependências.

E para um propósito óbvio – se você quiser que algo funcione, você deve aprová-lo instalando manualmente a dependência correspondente pessoalmente. Então a ideia é óbvia – nada sem o seu conhecimento pode aparecer instalado no seu sistema.

Então, pagando o preço chamado popularidade, a distro permanece fiel às suas raízes UNIX, e o recém-lançado Slackware 15 continua a lenda desta distro Linux muito amada, quase cult.

Obviamente, o Slackware não tem a miríade de bifurcações como as outras três distribuições listadas abaixo. No entanto, isso não muda o fato de que esta é a distribuição que moldou o então incipiente mundo Linux, abrindo o caminho e deixando sua marca profunda para sempre.

Debian

4 grandes distribuições que moldaram o mundo Linux
4 grandes distribuições que moldaram o mundo Linux

Alguns meses depois do Slackware, o Debian GNU/Linux entrou em cena.

Ian Murdock fundou oficialmente o Projeto Debian em 16 de agosto de 1993, mas a primeira versão estável foi lançada em 1996. Ian pretendia que o Debian fosse uma distro que seria feita abertamente, no espírito do Linux e GNU.

Então, quando começou, o Debian era a única distribuição aberta para cada desenvolvedor e usuário contribuir com seu trabalho. E até agora, o Debian continua sendo o distribuidor mais importante do Linux, que não é uma entidade comercial.

Isso significa que não há um único negócio responsável pela criação do Debian, pela manutenção de sua infraestrutura ou pela direção geral do projeto. Em vez disso, tudo está nas mãos da comunidade.

A distro tem uma longa e orgulhosa história. É composto por uma comunidade mundial de voluntários, composta por mais de mil desenvolvedores, trabalhando juntos para produzir o melhor sistema operacional de software livre possível.

Além disso, o Debian é o único projeto de software livre a ter eleições onde o líder é votado pelos desenvolvedores.

Além disso, se você quiser uma história mais extensa do Debian, seus mantenedores criaram uma excelente documentação que contém tudo o que é relevante para a história do Debian desde o início.

Durante sua existência, o Debian se estabeleceu como uma das distribuições Linux mais confiáveis ​​e estáveis, com uma grande presença no restante do cenário Linux atual. Referindo-se ao DistroWatch, cerca de 120 outras distribuições Linux são baseadas no Debian.

Por exemplo, vamos mencionar um nome – Ubuntu. Esta distribuição, que se tornou quase sinônimo de Linux, existe firmemente na base do Debian. Podemos continuar a lista com MX Linux, Deepin, Kali Linux, etc.

Mas não é isso que torna o Debian único e lhe dá um lugar bem merecido no Linux Hall of Fame.

A grandeza do Debian está no fato de que ele é uma prova viva do imenso poder do código aberto. Um exemplo brilhante de milhares de voluntários trabalhando juntos para o bem comum.

E talvez o mais importante, o Debian é a distribuição Linux mais popular hoje, aderindo o mais próximo possível às ideias e filosofia por trás do movimento Open Source.

Então, se você está procurando por uma das distribuições mais limpas, estáveis ​​e fiéis às distribuições do espírito Open Source, não vá além do Debian GNU/Linux.

Red Hat Linux

4 grandes distribuições que moldaram o mundo Linux
4 grandes distribuições que moldaram o mundo Linux

Em 1994, um ano após a criação do Debian, o terceiro membro das distribuições Linux mais significativas, Red Hat Linux, apareceu em cena.

Em 1993, Bob Young incorporou a ACC Corporation, uma empresa de catálogos que vendia acessórios de software Linux e UNIX. Na mesma época, Marc Ewing criou sua própria empresa de distribuição Linux, que ele chamou de Red Hat Linux.

Pouco depois disso, em 1995, Young comprou os negócios de Ewing e os dois se fundiram para se tornar a Red Hat Software, com Young atuando como CEO.

Assim, o Red Hat Linux foi projetado com o mundo corporativo, objetivos de negócios e lucro desde o início. E não há nada de errado nisso, é claro.

A Red Hat foi pioneira no modelo de negócios original de código aberto. A distribuição provou que poderia ser aplicada no mundo dos negócios e trazer enormes lucros.

Estritamente orientada para soluções Linux corporativas, a Red Hat oferece aos seus usuários uma estabilidade excepcional e suporte de alto nível.

Então, graças ao Ubuntu derivado do Debian, o mundo do desktop Linux foi alterado. Da mesma forma, com seu CentOS downstream e, mais recentemente, AlmaLinux e Rocky Linux, a Red Hat mudou o mundo dos servidores Linux.

Graças ao trabalho dos engenheiros da Red Hat, milhões de usuários e empresas em todo o mundo usam Red Hat ou distribuições baseadas em Red Hat para fornecer estabilidade e confiabilidade sem precedentes para seus servidores.

Claro, não vamos esquecer o Fedora. Ele é desenvolvido pelo projeto apoiado pela comunidade, patrocinado principalmente pela Red Hat. A cada lançamento, o Fedora Linux cresce cada vez mais, tomando uma fatia maior do mercado de desktops Linux, dominado principalmente pelo Ubuntu.

Por último, mas não menos importante, não podemos deixar de mencionar que a contribuição da Red Hat para o movimento Open Source é enorme. Por exemplo, apenas uma palavra – GNOME. Quantos de vocês sabem que a Red Hat é a principal colaboradora do GNOME Desktop Project?

Poderíamos continuar com uma lista de coisas como LibreOffice, PulseAudio, Xorg, D-Bus, PolicyKit, NetworkManager, KVM, OpenSSH…vamos continuar?

Em outras palavras, graças à tremenda ajuda e contribuição dos engenheiros da Red Hat, o software que usamos todos os dias é possível.

Arch Linux

Arch Linux
4 grandes distribuições que moldaram o mundo Linux

Chegamos ao último participante em nossa lista das distribuições Linux de pilar que moldaram o mundo Linux – Arch Linux. É a distro mais jovem entre as listadas aqui, com “apenas” 20 anos de história por trás.

Iniciado em 2001 por Judd Vinet, um programador canadense, o Arch Linux teve seu primeiro lançamento formal, v0.1, em março de 2002.

Se pudermos usar a chamada simbólica Debian e Red Hat, a mãe e o pai do mundo Linux moderno, o Arch Linux está em um para as distribuições Linux de lançamento contínuo.

Como você acha que era o campo do Linux em 2002? Deixe-me dizer-lhe; havia três players principais – Mandrake, Red Hat e Debian. Claro, esses também foram os anos dourados para o Gentoo, mas esta distribuição foi e ainda é muito difícil para o usuário médio de Linux lidar com ela.

E então o Arch Linux apareceu em cena. Além disso, ele se aproxima parcialmente da filosofia Gentoo, mas oferece uma abordagem mais acessível para trabalhar com ela.

Sim, a instalação não era fácil, mas não era algo que qualquer usuário regular do Linux não pudesse lidar com um pouco mais de esforço.

Como resultado, o usuário obteve algo novo para o mundo Linux – instale uma vez e use-o para sempre, simplesmente atualizando o sistema regularmente e mantendo-se constantemente com o software de ponta. O que hoje chamamos de modelo de lançamento contínuo.

A distribuição oferece aos usuários o controle final sobre como seus sistemas funcionam e se parecem, apoiando a filosofia KISS (Keep It Simple, Stupid).

E essa filosofia foi rapidamente adotada por milhares de usuários avançados do Linux que buscavam a combinação de controle completo sobre seus sistemas com um sistema operacional fácil e simples de manter.

Ao longo dos anos, o Arch Linux ganhou uma massa de fãs que o transformaram em quase um culto. Chegou ao ponto em que a distro ganhou seu bordão, “BTW, I Use Arch”, usado para tirar sarro do tipo de pessoa que se sente superior porque usa uma distro Linux mais difícil.

Claro, a complexidade de uso nunca foi um objetivo para o Arch Linux. Em vez disso, como sempre foi, o objetivo da distribuição é fornecer aos usuários do Linux a abordagem mais direta para usar o Linux.

Além disso, você obtém o software mais recente possível com o mínimo de modificações possível. Em suma, você obtém uma das experiências Linux mais puras disponíveis hoje.

Muitos clones surgiram em resposta aos benefícios que o Arch Linux oferece. Além disso, distribuições como Manjaro e EndeavourOS subiram nos ombros fortes do Arch Linux, removendo sua desvantagem mais significativa – o complexo processo de instalação.

Como resultado, eles rapidamente se tornaram os sistemas de desktop preferidos por inúmeros usuários do Linux.

Adorado por alguns e rejeitado por outros, nos últimos 20 anos, o Arch Linux abriu o caminho para lançamentos contínuos de distribuições Linux, garantindo seu lugar na história moderna do Linux.

Bem, essa foi a lista das 4 grandes distribuições que moldaram o mundo Linux. Enfim, esta é a beleza do Linux – a liberdade de escolha.

No entanto, alguns lançaram as bases para chegar a essa diversidade de inúmeras distribuições Linux. E com este artigo, dou todo o respeito aos quatro principais na minha opinião.

A primeira vista pode parecer uma confusão tantas distribuições, mas na verdade, esse é o grande poder do Linux.

Não existe a melhor distribuição, existe aquela que serve melhor às suas necessidades. Portanto, escolha aquele que serve para você e divirta-se.

Sobre o Edivaldo Brito

Edivaldo Brito é analista de sistemas, gestor de TI, blogueiro e também um grande fã de sistemas operacionais, banco de dados, software livre, redes, programação, dispositivos móveis e tudo mais que envolve tecnologia.