Do not speak Portuguese? Translate this site with Google or Bing Translator

Google demitiu cerca de 80 funcionários por vazar dados

Segundo informações do site Vice, o Google demitiu cerca de 80 funcionários por vazar dados do usuário e dados privados para pessoas de fora da empresa.

Um relatório muito preocupante foi divulgado recentemente, revelando que o Google demitiu cerca de 80 funcionários por uso indevido de dados entre 2018 e 2020, incluindo o roubo ou vazamento de informações da empresa e acesso a dados de usuários ou funcionários, em violação de suas políticas.

Google demitiu cerca de 80 funcionários por vazar dados

Google demitiu cerca de 80 funcionários por vazar dados
Google demitiu cerca de 80 funcionários por vazar dados

Neste relatório é mencionado que a maior parte das denúncias (86%) está relacionada à má gestão de informações privadas, como a transferência de arquivos internos para terceiros, enquanto 10% estão relacionadas ao uso inadequado dos sistemas, inclusive de acesso. dados do usuário ou funcionário ou ajudando outras pessoas a acessar esses dados.

O documento que relata as ações desses funcionários, bem como dá cifras concretas de como os funcionários do gigante das buscas online estão aproveitando sua posição para roubar, filtrar ou abusar dos dados a que tenham acesso.

Uma investigação minuciosa dos acontecimentos permitiu identificar os funcionários que participaram nesta trama.

O documento diz que só em 2020, o Google demitiu 36 funcionários por questões de segurança. Os dois anos anteriores também viram sua parcela de incidentes de segurança.

A pessoa que forneceu o documento disse que o Google demitiu 26 pessoas em 2019 e 18 em 2018 devido a incidentes de segurança.

O documento especifica que as dispensas não são a única maneira pela qual o Google está lidando com essas situações; é mencionado que a empresa às vezes distribui avisos.

Cerca de 86% de todas as alegações de segurança contra funcionários dizem respeito à má gestão de informações confidenciais, como a transferência de informações privilegiadas a terceiros.

Dez por cento de todas as alegações em 2020 são consideradas uso indevido de sistemas ou plataformas que hospedam dados pessoais de usuários, incluindo o acesso a dados de usuários ou funcionários em violação das próprias políticas do Google.

Em 2019, esse número representava 13% de todas as reclamações de valores mobiliários. O documento também denuncia o auxílio a terceiros no acesso a esses dados, ou a modificação ou exclusão de dados de usuários ou funcionários.

“Os casos mencionados referem-se principalmente a acesso indevido ou uso indevido de dados da empresa ou propriedade intelectual confidencial e sigilosa. Com relação aos dados do usuário, limitamos estritamente o acesso dos funcionários por meio de uma série de medidas de segurança líderes do setor.”

“Temos em particular: limitar o acesso aos dados do usuário ao necessário, exigir uma justificativa para acessar esses dados, uma revisão em várias etapas antes que o acesso aos dados confidenciais seja concedido e monitorar as anomalias e violações de acesso. Além disso, o número de violações, deliberadas ou inadvertidas, é consistentemente baixo. Cada funcionário recebe treinamento anual, investigamos todas as denúncias e violações que levam a ações corretivas, incluindo demissão.”

“Somos transparentes na publicação do número e dos resultados de nossas investigações para nossos funcionários e também implementamos processos rígidos que nos permitem proteger os dados de clientes e usuários contra qualquer ameaça interna ou externa.”

“Além disso, o uso de informações privilegiadas é um problema e essa tendência tende a se espalhar por todo o setor de tecnologia. Casos já foram descobertos nos últimos anos no Facebook, Snapchat etc. e no MySpace, onde funcionários às vezes usaram seu acesso para rastrear ou espionar usuários.”

Um porta-voz do Google disse:

“O número de violações, deliberadas ou inadvertidas, é consistentemente baixo. Todos os funcionários são treinados anualmente, investigamos todas as alegações e violações que levam a ações corretivas, incluindo rescisão, e temos processos rígidos em vigor para proteger os dados de clientes e usuários de quaisquer ameaças internas ou externas.”

Fonte: https://www.vice.com

Sobre o Edivaldo Brito

Edivaldo Brito é analista de sistemas, gestor de TI, blogueiro e também um grande fã de sistemas operacionais, banco de dados, software livre, redes, programação, dispositivos móveis e tudo mais que envolve tecnologia.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.