Do not speak Portuguese? Translate this site with Google or Bing Translator

Kubernetes 1.18 lançado com melhorias e novidades

A equipe de desenvolvimento do Kubernetes lançou o Kubernetes 1.18 com melhorias e novidades. Confira os detalhes desse lançamento.

Kubernetes é um sistema de código aberto para automatizar a implantação, escalação e administração de aplicativos em contêineres.

Ele foi originalmente projetado pelo Google, embora seu desenvolvimento tenha sido posteriormente confiado à Open Source Cloud Computing Foundation (CNCF), que permitiu que a tecnologia de orquestração de contêiner amadurecesse rapidamente, graças às contribuições de gigantes da tecnologia.

Kubernetes 1.18 lançado com melhorias e novidades
Kubernetes 1.18 lançado com melhorias e novidades

Agora, a equipe de desenvolvimento do Kubernetes anunciou recentemente o lançamento da nova versão “Kubernetes 1.18” em um anúncio no qual a equipe de desenvolvimento menciona que é uma versão “adequada e finalizada”.

Nesta nova versão, um trabalho significativo foi feito para melhorar a funcionalidade beta e estável para garantir uma melhor experiência do usuário. Foi feito um esforço igual para adicionar novos desenvolvimentos e novos recursos interessantes que prometem aprimorar ainda mais a experiência do usuário.

Novidades do Kubernetes 1.18

Esta nova versão se destaca por ter a possibilidade de usar tokens de conta de serviço como um método geral de autenticação. Por exemplo, se você deseja que um pod gerencie outros recursos do Kubernetes, como uma implantação ou um serviço, ele pode ser associado a uma conta de serviço e criar as funções e ligações de função necessárias.

As Contas de Serviço Kubernetes (KSA) enviam tokens da web JSON (JWT) para o servidor da API para autenticação. Isso torna o servidor API a única fonte de autenticação para contas de serviço.

O Kubernetes 1.18 fornece funcionalidade que permite ao servidor da API fornecer um documento de descoberta do OpenID Connect que contém as chaves públicas do token, além de outros metadados.

Outro destaque do Kubernetes 1.81 é a capacidade de configurar o HPA Velocity para pods específicos. O Horizontal Pod Autoscaler (HPA) é usado para permitir que um cluster Kubernetes responda automaticamente ao tráfego alto/baixo.

Com o HPA, o usuário pode solicitar ao controlador que crie mais módulos em resposta a picos de CPU, outras medições ou medições fornecidas pelo aplicativo.

O Kubernetes 1.18 tem uma visão geral do perfil para executar várias configurações do planejador.

Em geral, existem dois tipos de cargas de trabalho no Kubernetes: serviços de longo prazo (por exemplo, servidores da web, APIs etc.) e tarefas que são executadas até a conclusão (mais conhecida como o nome da tarefa).

Devido às diferenças óbvias entre os tipos de carga de trabalho, alguns usuários recorrem à criação de clusters completos para diferentes necessidades. Por exemplo, um cluster para gerenciar a mineração de dados e outro para atender às APIs do aplicativo.

O motivo é que eles precisam que o processo de decisão seja diferente. Por exemplo, a configuração padrão do planejador promove alta disponibilidade.

Por outro lado, também podemos encontrar a capacidade de definir uma regra de transmissão de pod no nível do cluster, o que nos permitiu garantir que os pods serão agendados nas zonas de disponibilidade (desde que você esteja usando um cluster de várias zonas) para garantir disponibilidade máxima e uso de recursos.

A funcionalidade ativa a especificação topologySpreadConstraints, que identifica áreas procurando nós com a mesma tag topologyKey. Nós com a mesma tag TopologyKey pertencem à mesma área.

A configuração era distribuir os pods uniformemente nas diferentes áreas. No entanto, a desvantagem é que essa configuração precisa ser aplicada no nível do pod. Os pods que não possuem a configuração não serão distribuídos uniformemente pelos domínios de falha.

Por último, mas não menos importante, também podemos encontrar a capacidade de ignorar a alteração na propriedade do volume.

Por padrão, quando um volume é montado em um contêiner em um cluster Kubernetes, todos os arquivos e diretórios desse volume têm suas propriedades alteradas para o valor fornecido por meio do fsGroup.

Tudo isso para permitir que o fsGroup leia e grave o volume. No entanto, esse comportamento demonstrou ser indesejável em alguns casos.

Esta nova versão do Kubernetes chega com várias alterações e mencionamos apenas algumas das mais importantes.

Para saber mais sobre essa versão do Kubernetes, acesse a nota de lançamento.

O que está sendo falado no blog

Veja mais artigos publicados neste dia…

Compartilhe:
Sobre o Edivaldo Brito

Edivaldo Brito é analista de sistemas, gestor de TI, blogueiro e também um grande fã de sistemas operacionais, banco de dados, software livre, redes, programação, dispositivos móveis e tudo mais que envolve tecnologia.