Do not speak Portuguese? Translate this site with Google or Bing Translator

LXD 4.20 lançado com o recurso Live Migration, e mais

E foi lançado o LXD 4.20 lançado com o recurso Live Migration, e mais. Confira as novidades e outros detalhes dessa importante atualização.

LXD é um gerenciador de contêineres de sistema de última geração. A maneira mais simples de definir LXD é dizer que é uma extensão de LXC.

Tecnicamente, LXD é uma API REST que se conecta a libxlc, a biblioteca de software LXC. Como você sabe, LXC, abreviação de “contêineres Linux”, é uma solução para virtualizar software no nível do sistema operacional dentro do kernel Linux.

LXD 4.20 lançado com o recurso Live Migration, e mais
LXD 4.20 lançado com o recurso Live Migration, e mais

Agora você provavelmente está se perguntando qual é a diferença entre LXD e Docker? Eles oferecem os mesmos serviços ou diferentes?

A maior diferença entre o Docker e o LXD é que, com o LXD, seu contêiner é todo um sistema operacional simulado com seu próprio sistema init. Por exemplo, você pode escolher um contêiner Debian, inseri-lo, instalar seu software, criar um arquivo de serviço e habilitá-lo.

Em outras palavras, o Docker é especializado na implantação de aplicativos, enquanto o LXD é especializado na implantação de máquinas virtuais (Linux). Portanto, o LXD é muito mais semelhante a uma VM do que o Docker.

Agora, os usuários do LXD 4.20 ficarão felizes em ver neste lançamento a implementação inicial do recurso Live Migration e suporte de agendamento de núcleo.

Novidades do LXD 4.20

LXD 4.20 lançado com o recurso Live Migration, e mais
LXD 4.20 lançado com o recurso Live Migration, e mais

Em primeiro lugar, o LXD agora tem suporte inicial para Live Migration de máquinas virtuais. Isso funciona simplesmente usando lxc move para mover entre dois servidores LXD separados ou lxc move --target para mover dentro de um cluster.

Supondo que a VM esteja em execução, será feita uma tentativa de migração ao vivo.

Os devs do LXD estavam bem próximos disso no ano passado, quando o LXD introduziu o suporte para Stateful Snapshots, que estava tecnicamente possibilitando algo próximo à Live Migration.

O LXD agora suporta pares de rede, já que um par é adicionado em cada lado de um par de redes (pode ser entre projetos).

Uma vez que a relação de mesmo nível seja estabelecida, OVN (Open Virtual Network) será configurado para rotear diretamente de uma rede para outra com o tráfego nunca deixando OVN.

Em versões anteriores do LXD, o roteamento de uma rede para outra sai atualmente de OVN, atinge a rede de uplink e, em seguida, entra novamente em OVN.

Como você pode imaginar, isso pode ser um grande gargalo. Com o suporte de peers de rede adicionado no LXD 4.20, esse gargalo foi completamente removido.

Com esta versão, o LXD apresenta o conceito de zonas de rede. Essas são efetivamente zonas DNS que estão vinculadas a redes LXD e podem ser usadas para encaminhar registros DNS, IPv4 reverso ou registros DNS IPv6 reversos.

Entre outras coisas, o agendamento de núcleo para contêineres, introduzido no LXD 4.19, agora é estendido para máquinas virtuais.

Ao executar o LXD em um kernel que oferece suporte ao agendamento de núcleo, o LXD garantirá automaticamente que todos os threads de vCPU de uma determinada VM façam parte do mesmo grupo de agendamento principal.

Para saber mais sobre essa versão do LXD, acesse a nota de lançamento.

Para instalar, siga as instruções da documentação do software.

Sobre o Edivaldo Brito

Edivaldo Brito é analista de sistemas, gestor de TI, blogueiro e também um grande fã de sistemas operacionais, banco de dados, software livre, redes, programação, dispositivos móveis e tudo mais que envolve tecnologia.