Do not speak Portuguese? Translate this site with Google or Bing Translator

Microsoft também proibiu venda de tecnologia de reconhecimento facial

Pouco tempo depois da Amazon e da IBM, a Microsoft também proibiu venda de tecnologia de reconhecimento facial à polícia, para evitar mau uso dela.

Já se sabe que a tecnologia de reconhecimento facial é tendenciosa e luta contra a pele escura.

Agora, a Microsoft Corporation anunciou que está proibindo a venda de tecnologia de reconhecimento facial para agências policiais até que o tribunal federal elabore uma lei legítima e humanitária para seu uso nos cidadãos.

Microsoft também proibiu venda de tecnologia de reconhecimento facial

Microsoft também proibiu venda de tecnologia de reconhecimento facial
Microsoft também proibiu venda de tecnologia de reconhecimento facial

Com essa decisão, a Microsoft se tornou a terceira organização depois da Amazon e da IBM a protestar contra o uso tendencioso da tecnologia por policiais e outras agências.

Em comunicado, a empresa sediada em Redmond disse:

“Hoje não vendemos nossa tecnologia de reconhecimento facial aos departamentos de polícia dos EUA e, até que haja uma forte lei nacional baseada em direitos humanos, não venderemos essa tecnologia à polícia.”

Enquanto os EUA assistem a protestos em massa em todos os estados contra o racismo após a morte de George Floyd, a tecnologia de reconhecimento facial é notória por seu viés contra pessoas com pele de cor escura.

Em um estudo, verificou-se que a tecnologia de reconhecimento facial usada para “salvaguardar o povo americano” luta para reconhecer os rostos dos negros, o que pode levar a detenções falsas.

Anteriormente, a Amazon suspendeu a venda do seu software de reconhecimento facial “Rekognition” por um ano. O gigante do varejo espera que o governo implemente leis rigorosas para o uso ético da tecnologia neste período de moratória.

Da mesma forma, a IBM escreveu uma carta ao Congresso informando que a empresa não forneceria o software de reconhecimento facial, pois poderia ser usado para violar “direitos humanos e liberdades básicos”.

A decisão das grandes empresas de tecnologia é aplaudível e, ao mesmo tempo, oferece ao governo uma oportunidade de enquadrar leis rigorosas contra o uso da tecnologia distorcida.

O que está sendo falado no blog

Veja mais artigos publicados neste dia…

Compartilhe:
Sobre o Edivaldo Brito

Edivaldo Brito é analista de sistemas, gestor de TI, blogueiro e também um grande fã de sistemas operacionais, banco de dados, software livre, redes, programação, dispositivos móveis e tudo mais que envolve tecnologia.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.