Do not speak Portuguese? Translate this site with Google or Bing Translator

MIT construiu uma mão robótica que pode ver e sentir objetos

O MIT construiu uma mão robótica que pode ver e sentir objetos. Essas mãos robóticas são capazes de captar objetos tão frágeis quanto uma batata.

Duas novas ferramentas construídas pelo Computer Science and Artificial Intelligence Laboratory (CSAIL, ou Laboratório de Ciência da Computação e Inteligência Artificial) do MIT oferecem uma inovação no campo emergente da robótica eletrônica – uma nova geração de robôs que usam materiais macios e flexíveis em vez de equipamentos rígidos tradicionais.

Esses tipos de robôs flexíveis geralmente se inspiram em organismos vivos e oferecem inúmeros benefícios em sua funcionalidade versátil.

Eles são capazes de operar muito mais delicadamente do que seus colegas rígidos, mas até agora não tinham a capacidade de perceber com quais itens eles estavam interagindo.

Para superar isso, os pesquisadores equiparam seus robôs com vários sensores, câmeras e software, permitindo “ver e classificar” uma variedade de objetos.

“Desejamos permitir ver o mundo sentindo o mundo”, disse Daniela Rus, professora do MIT e diretora do CSAIL.

“As mãos macias dos robôs têm peles sensorizadas que permitem pegar uma variedade de objetos, desde delicados, como batatas fritas, até pesados, como garrafas de leite.”

MIT construiu uma mão de robô que pode ver e sentir objetos

MIT construiu uma mão robótica que pode ver e sentir objetos
MIT construiu uma mão robótica que pode ver e sentir objetos

O primeiro robô construído a partir de pesquisas do MIT e da Universidade de Harvard em 2019, onde uma equipe desenvolveu uma pinça robótica na forma de um cone.

Ele funcionou colapsando em um objeto de maneira semelhante a uma armadilha de mosca de Vênus, permitindo que ele pegasse uma variedade de objetos de forma desajeitada, com até 100 vezes o seu peso.

Ao adicionar sensores táteis, o robô conseguiu entender o que estava captando e ajustar a quantidade de pressão exercida de acordo. Dos 10 objetos usados ​​no experimento, os sensores foram capazes de identificá-los com uma taxa de precisão de mais de 90%.

“Ao contrário de muitos outros sensores táteis, o nosso pode ser fabricado rapidamente, adaptado às pinças e mostrar sensibilidade e confiabilidade”, disse Josie Hughes, do MIT, principal autora de um artigo que detalha os sensores.

“Esperamos que eles forneçam um novo método de sensoriamento suave que possa ser aplicado a uma ampla gama de aplicações diferentes em configurações de fabricação, como embalagem e elevação.”

O segundo robô fez uso de um inovador dedo “GelFlex”, que usa um mecanismo acionado por tendões e uma variedade de sensores para fornecer “sentidos mais diferenciados, semelhantes aos humanos”.

A equipe agora espera ajustar os algoritmos de detecção e introduzir configurações mais complexas dos dedos, como torcer.

Ambos os robôs são detalhados em um paper, que serão apresentados virtualmente na Conferência Internacional de 2020 sobre Robótica e Automação.


Fonte: Independent

O que está sendo falado no blog

Veja mais artigos publicados neste dia…

Compartilhe:
Sobre o Edivaldo Brito

Edivaldo Brito é analista de sistemas, gestor de TI, blogueiro e também um grande fã de sistemas operacionais, banco de dados, software livre, redes, programação, dispositivos móveis e tudo mais que envolve tecnologia.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.