Nautilus poderá perder a capacidade de lançar aplicativos binários

O Nautilus poderá perder a capacidade de lançar aplicativos binário. Confira os detalhes dessa possível mudança!

Por mais estranho e até contraproducente que possa parecer, o Nautilus poderá perder a capacidade de lançar aplicativos binários. Confira os detalhes dessa possível mudança.


Lançado em meados de março de 2018, o GNOME 3.28 é o mais avançado e também o primeiro lançamento do ambiente de desktop amplamente usado para sistemas operacionais baseados em Linux a descartar o suporte para ícones de desktop do gerenciador de Nautilus, que os manipulou nos últimos dois anos décadas, planejando mover a funcionalidade para o GNOME Shell.
Nautilus poderá perder a capacidade de lançar aplicativos binário
Nautilus poderá perder a capacidade de lançar aplicativos binário

Em resumo, o Nautilus perdeu a capacidade de exibir ícones da área de trabalho, agora os desenvolvedores do GNOME planejam abandonar outro recurso familiar.

Nautilus poderá perder a capacidade de lançar aplicativos binários

Depois de remover a capacidade de lidar com ícones da área de trabalho, o Projeto GNOME decidiu que é hora de remover a capacidade de executar binários e programas diretamente, a partir do gerenciador de arquivos Nautilus.

De acordo com um commit de código no Gitlab, o famoso gerenciador de arquivos está preparado para perder a capacidade de executar binários e lançar aplicativos diretamente.

Sim, é isso . O Nautilus poderá perder a capacidade de lançar aplicativos. Em outras palavras, você não poderá clicar duas vezes em programas, scripts ou aplicativos para iniciá-los usando o Nautilus.

Essa alteração pode afetar:

  • Arquivos binários .bin e .run;
  • Imagens de aplicativos (.appimage);
  • Atalhos do programa (.desktop);
  • Scripts (por exemplo, .sh).

Por que os desenvolvedores do GNOME estão fazendo essa mudança

O desenvolvedor do GNOME, Carlos Soriano, foi quem fez o commit citado acima.

Nele, Carlos argumenta que sem uma área de trabalho na qual colocar atalhos de aplicativos, binários e coisas do gênero, a necessidade de iniciar aplicativos usando o Nautilus é “não é tão útil” como era antes.

Afinal, a área de trabalho do GNOME Shell vem com um inicializador de aplicativos de tela inteira por padrão, e também está disponível uma lista de extensões de de aplicativos de terceiros.

Além disso, para aqueles que conseguem aguentar seus tempos de inicialização, a loja do GNOME Software oferece botões de “lançamento” ao lado dos aplicativos que você instalou.

Sobre isso, Soriano disse o seguinte:

“Era [uma vez] comum que os aplicativos fossem entregues em uma tarball, hoje em dia isso está fora de questão. Não apenas isso, mas estamos caminhando para um sistema mais seguro, e devemos usar o suporte padrão e amplo para o sistema para lançar aplicativos baseados nas escolhas dos usuários.”

É um bom raciocínio para ser justo: o software deve lidar com software e os arquivos devem lidar com arquivos. Mas talvez exista um motivo mais urgente para o GNOME querer fazer essa mudança.

Melhorando a segurança

Todas as mudanças, mesmo as potencialmente impopulares como essa, tendem a ter um objetivo central em mente: melhorar a experiência do usuário final.

Os aplicativos em contêiner, como o Flatpak e o Snappy, oferecem isolamento do sistema e outros benefícios de segurança, e as lojas de software agora são bastante comuns.

A maioria de nós tem pouca necessidade real de ou executar blobs binários aleatórios que baixamos da web, e se o fizermos, é melhor usar o terminal para fazer isso.

Carlos nos lembra que apenas no ano passado, uma vulnerabilidade poderia permitir que um invasor executasse comandos arbitrários ao enganar o usuário para abrir um arquivo .desktop com permissões executáveis ​​como um documento.

Os comandos poderiam ser executados sem aviso quando o usuário abrisse um arquivo .desktop, criado com códigos maliciosos.

Na nota, Soriano afirma que:

“Como vimos no passado, permitimos o lançamento de binários não confiáveis ​​[no Nautilus] e, portanto, tivemos um CVE (CVE-2017-14604) […] não estamos em posição de deixarmos que esses problemas caiam”

Ao remover a capacidade de executar binários do Nautilus, o GNOME está tentando ajudar a proteger as máquinas dos usuários contra códigos mal-intencionados e maliciosos. A opção “executar” não será mostrada para lançadores não confiáveis ​​ou confiáveis.

Você ainda pode executar aplicativos binários

Haverá momentos em que você precisará executar um aplicativo que baixou na Web ou que é fornecido na forma de um script, e assim por diante.

Então, enquanto o Nautilus (o gerenciador de arquivos) está perdendo a capacidade de executar arquivos binários, a área de trabalho GNOME não perderá essa funcionalidade.

Sempre haverá a linha de comando e outras ferramentas gráficas para gerenciar e iniciar aplicativos que estão disponíveis.

E para aqueles que realmente não conseguem utilizar o sistema sem usar um gerenciador de arquivos para iniciar seus aplicativos favoritos, como sempre, há a opção de usar uma alternativa ao Nautilus como Dolphin, Nemo, PCManFM, Caja, etc.

Outro ponto a ter em mente é que, simplesmente porque o Nautilus não lida com binários em execução (como o formato AppImage), é perfeitamente possível que um plugin ou facilitador do Nautilus assuma essa tarefa.

Por exemplo, em vez de clicar duas vezes em um binário para executá-lo, clique com o botão direito do mouse em “Abrir com…” e selecione um aplicativo compatível.

Vale a pena enfatizar: essa mudança não afeta a opção “Abrir com…”: O Nautilus continuará sendo capaz de abrir arquivos com/em aplicativos.

O código para essa mudança ainda não foi lançado em um release do gerenciador de arquivos Nautilus (Files), mas possivelmente ele será fornecido com o próximo snapshot de desenvolvimento, o GNOME 3.29.2, que deve ser lançado para testes públicos em 23 de maio de 2018.

O ambiente de desktop GNOME 3.30 está previsto para ser lançado em 5 de setembro de 2018.

E você? O que achou dessa mudança? Deixe sua opinião nos comentários!

O que está sendo falado no blog



blog comments powered by Disqus