Do not speak Portuguese? Translate this site with Google or Bing Translator

Steam e PayPal foram bloqueados na Indonésia

Graças a um nova regulamentação da Internet, a Steam e PayPal foram bloqueados na Indonésia, além de outros serviços online.

O Ministério de Comunicação e Tecnologia da Informação da Indonésia, Kominfo, está agora bloqueando o acesso a provedores de serviços e conteúdo da Internet que não se registraram na nova plataforma de licenciamento do país até 27 de julho de 2022, quando o país começa a restringir o acesso a provedores e serviços de conteúdo online.

Os primeiros bloqueios começaram na sexta-feira, um dia antes do prazo de 26 de junho, e de acordo com a NetBlocks, organização de monitoramento de acesso à Internet, alguns dos provedores de serviços incluem Yahoo, Steam e PayPal.

Outras fontes indonésias também relatam não conseguir acessar Battlenet, Epic Games e outros portais de jogos usados ​​por milhões de jogadores no país.

Steam e PayPal foram bloqueados na Indonésia

Steam e PayPal foram bloqueados na Indonésia
Steam e PayPal foram bloqueados na Indonésia

Os bloqueios parecem resultar de uma ação coordenada entre a Kominfo e todos os principais ISPs (provedores de serviços de internet) do país. No entanto, alguns menores ainda fogem das novas regulamentações.

De acordo com vários relatórios de usuários, as VPNs podem contornar os bloqueios impostos por enquanto, mas ao usá-las com serviços de pagamento eletrônico ou portais de jogos, pode haver problemas com a velocidade da rede e incompatibilidades de impressões digitais da conta.

Devido aos bloqueios, muitos usuários do PayPal na Indonésia foram bloqueados em suas contas e fundos. No entanto, um porta-voz afirmou que o governo pode desbloquear temporariamente as plataformas de pagamento esta semana para permitir saques.

A nova estrutura regulatória introduzida pelo ministério de TI da Indonésia no ano passado foi apresentada como um sistema de controle de conteúdo que foi introduzido para proteger a segurança nacional e impedir a disseminação de notícias falsas.

O regulamento ordena o registro obrigatório de todos os provedores de serviços de internet em uma nova plataforma de licenciamento que lhes permita operar legalmente no país. Aqueles que não se registrarem são considerados entidades ilegais e serão bloqueados da internet indonésia.

A lei exige que todas as entidades registradas atribuam um representante local e um escritório que responda a solicitações de censura e demandas ilimitadas de divulgação de informações do estado.

Qualquer informação publicada em plataformas de provedores de serviços registrados está sujeita ao escrutínio estatal, assim como qualquer informação sobre contas de usuários, comunicação nesses sites e todas as outras formas de troca de dados.

Se o governo solicitar a retirada urgente de material considerado nocivo à segurança nacional e ao público, o prestador do serviço deve responder ao pedido no prazo de quatro horas. Para solicitações de censura não urgentes, os provedores têm até 24 horas para obrigar.

Até o prazo, cerca de 200 provedores de serviços online estrangeiros e 8.000 domésticos haviam se registrado, incluindo Google, Meta, TikTok, Instagram e Spotify, que não gostariam de ser expulsos de uma população tão grande de 270 milhões de pessoas.

A nova lei foi aprovada apesar das inúmeras vozes de preocupação expressas por coalizões jornalísticas e defensores da liberdade de expressão na Indonésia, que temiam que ela fosse usada como uma ferramenta de censura do governo e para restringir a liberdade de imprensa no país

Sobre o Edivaldo Brito

Edivaldo Brito é analista de sistemas, gestor de TI, blogueiro e também um grande fã de sistemas operacionais, banco de dados, software livre, redes, programação, dispositivos móveis e tudo mais que envolve tecnologia.