Do not speak Portuguese? Translate this site with Google or Bing Translator

E o Houseparty? Conheça melhor essa alterativa ao Zoom!

Você já ouviu falar do Houseparty? Conheça melhor essa alterativa ao Zoom, suas vantagens, desvantagens, riscos e o que é preciso fazer para deixá-lo mais seguro.

A quarentena pela qual estamos passando desde a crise do Covid-19 obrigou muitas pessoas não familiarizadas com a tecnologia ao serem forçadas a usá-la.

As pessoas idosas que se recusavam a operar com caixas eletrônicos tinham que se acostumar com procedimentos bancários via web e cobranças através de aplicativos.

Os varejistas tiveram que se adaptar às vendas no Facebook e nas escolas sem plataformas de ensino à distância voltadas para o Zoom para continuar ensinando.
 
O problema é que muitos desses aplicativos têm problemas de segurança e políticas de privacidade duvidosas.

Quem trabalha com eles diariamente, geralmente sabe quais são seus riscos, como mitigá-los e, sempre que possível, encontrar alternativas, como já foi citado nesse outro artigo.

Alternativas ao zoom? Conheça algumas ótimas opções

Além das opções citadas no artigo, uma das alternativas mas populares é o Houseparty!

E o Houseparty? Saiba mais sobre um dos aplicativos de quarentena mais populares

E o Houseparty? Conheça melhor essa alterativa ao Zoom!
E o Houseparty? Conheça melhor essa alterativa ao Zoom!

Nesse momento de isolamento social, aplicativos de comunicação estão com o uso em alta. Um bom exemplo disso, é o Houseparty, um serviço de rede social que permite o bate-papo por vídeo em grupo.

O Houseparty é um aplicativo que permite o acesso a uma rede social na qual até oito pessoas podem se encontrar por meio de bate-papo por vídeo em uma sala virtual.

Cada usuário tem acesso a salas infinitas e pode alternar facilmente entre elas. Os usuários são notificados quando seus amigos abrem o aplicativo e podem participar de bate-papos com eles e com os amigos de seus amigos.

Uma vez registrado no aplicativo, o usuário já pode organizar uma festa em uma sala virtual.

Problemas conhecidos

No entanto, a menos que você tome precauções nesta sala, estranhos também podem participar.

Houve casos do que é conhecido como “bombardeio“. Algumas pessoas entram nos salões e mostram imagens pornográficas ou a si mesmas sem roupas.

Isso pode ser evitado ajustando as configurações de privacidade. Mas cabe a você fazer isso: não é a configuração padrão.

Outro problema é que, quando um usuário se registra no aplicativo, seus contatos são notificados.

Se você aceitar as solicitações de amigos, eles receberão uma notificação quando você iniciar um bate-papo com a Houseparty e eles poderão entrar, a menos que você o evite nas opções de configuração.

Ray Walsh, da empresa de pesquisa Pro Privacy, não está por aí. Ele define como “um pesadelo de privacidade”

“Qualquer pessoa que decida usar o aplicativo Houseparty para manter contato durante a quarentena deve estar ciente de que o aplicativo coleta uma quantidade preocupante de informações pessoais.”

“Isso inclui dados de geolocalização, que poderiam, em teoria, ser usados ​​para mapear a localização de cada usuário.”

“Uma análise mais detalhada da política de privacidade da Houseparty revela que a empresa promete anonimizar e agregar os dados antes de compartilhá-los com afiliados e parceiros de terceiros com quem trabalha.”

“No entanto, uma e outra vez, os pesquisadores mostraram que dados previamente anonimizados podem ser re-identificados.”

A isto é adicionado que, em dispositivos Android, você pode excluir o aplicativo, mas se desejar excluir sua conta, deverá enviar um email para o suporte técnico.

A especialista em dados e privacidade Suzanne Vergnolle comentou no Twitter que é improvável que o aplicativo esteja em conformidade com o Regulamento Geral de Proteção de Dados da União Europeia (RGPD).

Vergnolle acrescentou que o aplicativo rastreia os usuários em suas configurações padrão e que não há garantia de que as solicitações de exclusão de dados sejam atendidas.

As políticas de privacidade da Houseparty ocupam 12.000 palavras; quem as lê garante que concorda em não compartilhar o número de telefone dos usuários e seus contatos com ninguém.

A controvérsia entrou em erupção quando a notícia que roubou os dados de acesso de usuários do Houseparty estava sendo usada para tentar invadir o Netflix e o Spotify.

A Epic, empresa proprietária da Houseparty, respondeu afirmando que estava “investigando as evidências de que essas alegações eram decorrentes de uma campanha paga por um concorrente não identificado”.

De acordo com o PrivacySpy, um site dedicado a analisar a conformidade com os regulamentos de privacidade, a Epic Games tem uma classificação muito baixa de 2,3 em 10 em suas práticas de privacidade.

Algumas de suas falhas incluem permitir o acesso de terceiros a dados pessoais e não notificar os usuários em caso de violação de dados.

A loja da Epic Games também enfrentou as regras da União Europeia sobre proteção de dados pessoais em 2018.

O que está sendo falado no blog

Veja mais artigos publicados neste dia…

Compartilhe:
Sobre o Edivaldo Brito

Edivaldo Brito é analista de sistemas, gestor de TI, blogueiro e também um grande fã de sistemas operacionais, banco de dados, software livre, redes, programação, dispositivos móveis e tudo mais que envolve tecnologia.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.