Do not speak Portuguese? Translate this site with Google or Bing Translator

Fedora abandonará os softwares com a licença CC0-licensed por preocupações com patentes

Procurando evitar problemas no futuro, o Projeto Fedora abandonará os softwares com a licença CC0-licensed por preocupações com patentes.

Fedora é uma distribuição Linux, desenvolvida e mantida pelo Projeto Fedora, com patrocínio da Red Hat e outras partes.

E, recentemente, o Projeto Fedora anunciou que não permitirá mais o código licenciado Creative Commons ‘No Rights Reserved’, também conhecido como CC0-licensed, em sua distribuição Linux ou no Fedora Registry.

Fedora abandonará o software com a licença CC0-licensed por preocupações com patentes

Fedora abandonará os softwares com a licença CC0-licensed por preocupações com patentes
Fedora abandonará os softwares com a licença CC0-licensed por preocupações com patentes

A decisão de abandonar o software de código aberto CC0-licensed decorre do fato de que poderia, no futuro, apresentar problemas de patente.

O Projeto Fedora não permitirá mais que softwares com licença CC0, também conhecidos como código com ‘Sem direitos reservados’, sejam distribuídos no Fedora Registry, ou como parte da distribuição Fedora Linux.

E a organização admite que essa “mudança bastante incomum” pode afetar um pequeno número de pacotes do Fedora.

“CC0 foi listado pelo Fedora como uma ‘boa‘ licença para código e conteúdo (correspondendo a conteúdo permitido e permitido sob o novo sistema). Planejamos classificar CC0 apenas como conteúdo permitido, para que CC0 não seja mais permitido para código”, anunciou Richard Fontana, Conselheiro Comercial Sênior da Red Hat por meio de uma lista de discussão esta semana.

“Esta é uma mudança bastante incomum e pode ter um impacto em um número não trivial de pacotes do Fedora (isso não está claro para mim no momento), e podemos conceder uma exclusão para pacotes existentes que incluem código coberto por CC0.”

A razão para a mudança de política é simplesmente esta – embora a licença CC0 da Creative Commons permita que criadores de conteúdo, incluindo desenvolvedores de software, renunciem aos direitos autorais de seu trabalho, isso não tem relação com os direitos de patente ou marca registrada que os criadores continuam a reter.

Uma cláusula específica do CC0, mostrada abaixo, é o que levou a decisão do Fedora de abandonar a licença:

“Nenhuma marca registrada ou direitos de patentes detidos pelo Afirmador são renunciados, abandonados, cedidos, licenciados ou de outra forma afetados por este documento.” (O lado de marca registrada dessa cláusula não é problemático do ponto de vista das normas de licenciamento FOSS.) As licenças Creative Commons regulares têm cláusulas semelhantes.

Os pacotes existentes do Fedora com a licença CC0 podem ser adquiridos, mas isso é algo que o Projeto ainda não decidiu afirmativamente.

O uso de software de código aberto é onipresente, inclusive por grandes corporações. Consumir e distribuir software livre e de código aberto (FOSS) que continua a reter as restrições de patentes pode se tornar problemático no futuro em caso de disputa legal.

Em uma declaração ao The Register, Bradley M. Kuhn, membro de políticas da Software Freedom Conservancy (SFC), explicou:

“As patentes que se aplicam ao software são uma ameaça constante aos direitos dos usuários e redistribuidores de FOSS – particularmente aqueles FOSS comercialmente. É por isso que a SFC se opõe inteiramente ao patenteamento de software.”

Kuhn, comentando a partir de uma política em vez de uma perspectiva legal, enfatizou ainda mais que, muitas vezes, as licenças copyleft como a GPLv2 contêm licenças de patentes “muito fortes”, implícita ou explicitamente.

Um trecho da licença GPL v2 visto pelo site BleepingComputer atesta o fato:

“Finalmente, qualquer programa livre é constantemente ameaçado por patentes de software. Desejamos evitar o perigo de que redistribuidores de um programa livre obtenham individualmente licenças de patente, tornando o programa proprietário. Para evitar isso, deixamos claro que qualquer patente devem ser licenciados para uso livre de todos ou não licenciados.”

“Estamos cientes de que grandes empresas detentoras de patentes – Oracle em particular, mas outras também – instaram os desenvolvedores de FOSS a escolher licenças como a CC0 que explicitamente retêm a concessão de licenças de patentes”, disse Kuhn.

O especialista sugere ainda que os desenvolvedores de software são melhores adotando licenças transparentes como GPL ou copyleft-next, em oposição ao CC0, onde os direitos de patente não são renunciados ou licenças com cláusulas de patente ambíguas.

A artista e hacker Rhea Myers também sugeriu como uma organização como a Red Hat, uma subsidiária da IBM que apoia o Fedora, não gostaria de cair em águas quentes legais sobre futuras questões de patentes.

Fedora abandonará os softwares com a licença CC0-licensed por preocupações com patentes
Fedora abandonará os softwares com a licença CC0-licensed por preocupações com patentes

Curiosamente, o blogueiro de tecnologia Diego Elio Pettenò, também conhecido como FlameEyes, aponta como, no passado, o Fedora recomendou o uso de CC0 ao justapor com ‘Unlicense’, enquanto o Google, com o tempo, passou a rejeitar patches de software licenciados sob CC0 ou Unlicense.

Sobre o Edivaldo Brito

Edivaldo Brito é analista de sistemas, gestor de TI, blogueiro e também um grande fã de sistemas operacionais, banco de dados, software livre, redes, programação, dispositivos móveis e tudo mais que envolve tecnologia.