Do not speak Portuguese? Translate this site with Google or Bing Translator

Google está desenvolvendo um novo formato de imagem WebP

E o Google está desenvolvendo um novo formato de imagem WebP. Conheça os detalhes e as novidades desse futuro formato de imagens.

O WebP é um formato de imagem desenvolvida pelo Google com o objetivo de diminuir o tamanho dos arquivos e garantir uma transferência mais rápida para quem possui uma internet lenta. WebP ocupa menos espaço, sem perder qualidade.

Agora, o Google publicou um trabalho em um novo formato experimental de codificação de imagem chamado “WebP 2”, que está sendo desenvolvido como um substituto mais eficiente para o formato WebP.

Google está desenvolvendo um novo formato de imagem WebP

Google está desenvolvendo um novo formato de imagem WebP
Google está desenvolvendo um novo formato de imagem WebP

No WebP 2, eles descrevem novas funções para sua implementação, como HDR com representação de cores de 10 bits, compactação mais eficiente de informações de transparência, suporte completo para animação, fácil decodificação incremental (decodificação camada por camada com maior detalhe em cada estágio, permitindo que você gere miniaturas muito rapidamente para visualização), implementação de software multi-threaded rápida, minimização da degradação visual em taxas de bits baixas, modo de compressão sem perdas aprimorado.

O objetivo do novo formato é idêntico ao do primeiro WebP: transmissão de imagens pela rede, otimização para resoluções médias, uso em aplicações web e mobile, com suporte para tarefas comuns a essas tarefas, como suporte para transparência, animação e sketches rápido.

O codec experimental WebP 2 dirige principalmente os recursos do WebP em termos de eficiência de compressão. Novos recursos (como suporte 10b HDR) são reduzidos ao mínimo. Os eixos de experimentação são:

  • Compactação com perdas mais eficiente (cerca de 30% melhor do que WebP, o mais próximo possível de AVIF);
  • Melhor degradação visual com taxa de bits muito baixa;
  • Compressão sem perdas aprimorada;
  • Compressão de transparência aprimorada;
  • Suporte de animação;
  • Prévias ultraleves;
  • Decodificação incremental leve;
  • Recipiente superior pequeno, projetado especificamente para compressão de imagens;
  • Arquitetura completa de 10 bits (HDR10);
  • Forte foco na implementação de software, totalmente multithread;
  • Os casos de uso permanecem basicamente os mesmos do WebP: transferência de cabo, web mais rápida, aplicativos menores, melhor experiência do usuário … WebP 2 se encaixa principalmente no conteúdo típico disponível na web e em aplicativos móveis: dimensões de alcance médio, transparência, animações curtas, miniaturas.

Os principais esforços no desenvolvimento do novo formato visam aumentar a eficiência da compressão.

O primeiro WebP atinge uma redução de tamanho de arquivo de 25% a 34% em comparação com arquivos JPEG de qualidade semelhante e, no modo de compressão sem perdas, atinge uma redução de 26% no tamanho do arquivo, resultando em em comparação com o nível máximo de compressão de PNG.

O WebP 2 visa alcançar uma melhoria de eficiência de compressão sem perdas de 30% em relação ao primeiro WebP e trazer o codec AVIF de compressão com perdas para 20%.

O protótipo em teste ainda está mal otimizado e fica muito atrás da implementação polida de libwebp em termos de codificação e velocidade de decodificação. Por exemplo, no modo de compactação com perdas, o WebP 2 executa a compactação cinco vezes mais lenta do que o primeiro WebP.

Comparado ao libavif, o novo formato WebP desenvolvido pelo Google realiza a codificação duas vezes mais rápido, mas fica 3 vezes atrás na velocidade de decodificação.

Ao mesmo tempo, no momento em que a versão final da biblioteca libwebp2 for lançada, está planejado para atingir a paridade na velocidade de decodificação.

Como dito antes, o WebP 2 é o sucessor do formato de imagem WebP, e está atualmente em desenvolvimento. Portanto, não está pronto para uso geral e o formato não está finalizado, consequentemente, as alterações na biblioteca podem interromper a compatibilidade com imagens codificadas com versões anteriores.

Ou seja, como o novo formato ainda está em desenvolvimento e não foi definido definitivamente, ainda não está pronto para uso generalizado (a compatibilidade com versões anteriores do codificador e do decodificador não é garantida, o código não foi otimizado).

Por fim, para quem tiver interesse em saber mais sobre a nota, pode consultar a publicação original no seguinte endereço.

E quanto a quem tiver interesse em conhecer o código do projeto, assim como seu andamento, pode consultá-lo acessando esse endereço.

Compartilhe:
Sobre o Edivaldo Brito

Edivaldo Brito é analista de sistemas, gestor de TI, blogueiro e também um grande fã de sistemas operacionais, banco de dados, software livre, redes, programação, dispositivos móveis e tudo mais que envolve tecnologia.