Do not speak Portuguese? Translate this site with Google or Bing Translator

Linus Torvalds disse que não é aconselhável usar o ZFS no Linux

Questionado sobre a polêmica em torno do suporte ao ZFS, Linus Torvalds disse que não é aconselhável usar o ZFS no Linux. Veja em detalhes a opinião do pai do Linux.

A inclusão do suporte ao ZFS é uma das questões mais controversas do Linux no nível tecnológico, tudo porque a licença do sistema de arquivos CDDL é incompatível com a GPLv2 usada pelo Linux, portanto, deve ser fornecida externamente e não Pode ser distribuído oficialmente com o kernel.

Linus Torvalds disse que não é aconselhável usar o ZFS no Linux

Linus Torvalds disse que não é aconselhável usar o ZFS no Linux

No entanto, a situação não impediu a Canonical de insistir na inclusão do ZFS para funcionar por padrão no Ubuntu, executando todos os tipos de truques para usá-lo como uma partição raiz sem cair na violação da licença.

Isso se materializou no fato de poder ser usado em uma instalação do Ubuntu 19.10, embora esse suporte ainda esteja na fase experimental e seu uso não seja recomendado para servidores de produção.

Depois de conhecer as intenções da Canonical e a posição intransigente da Free Software Foundation a esse respeito, quem falou sobre esse assunto recentemente foi Linus Torvalds e, como sempre, não tinha papas na língua na hora de expressar o que ele pensa.

Linus Torvalds disse que não é aconselhável usar o ZFS no Linux

Durante a discussão dos testes de agendador de tarefas do Linux, um dos participantes da discussão deu um exemplo do fato de que, apesar das declarações sobre a necessidade de manter a compatibilidade no desenvolvimento do kernel linux, as mudanças recentes no kernel interromperam o funcionamento adequado do módulo ZFS no Linux.

Linus Torvalds respondeu que o princípio de “não quebrar usuários” se refere à preservação das interfaces externas do núcleo usadas por aplicativos no espaço do usuário, bem como do próprio núcleo.

Mas não abrange complementos de terceiros desenvolvidos separadamente no núcleo que não são aceitos na composição do núcleo principal, cujos autores, por seu próprio risco, devem acompanhar as mudanças no núcleo eles mesmos.

“Lembre-se de que ‘não quebrar usuários’ é literalmente sobre aplicativos de espaço de usuário e o kernel que mantenho. Se alguém adiciona um módulo do kernel como o ZFS, ele faz isso por conta própria. Não consigo mantê-lo e não posso ficar vinculado a alterações no kernel de outras pessoas.”

Quanto ao projeto ZFS no Linux, Linus não recomendou o uso do módulo zfs devido à incompatibilidade das licenças CDDL e GPLv2.

A situação é tal que, devido à política de licenciamento da Oracle, as chances de um dia o ZFS entrar na composição principal do núcleo são muito pequenas.

Como as camadas propostas para contornar a incompatibilidade de licenças, que traduzem o acesso às funções principais do código externo, são uma decisão duvidosa.
 
A única opção em que Linus aceitaria aceitar o código ZFS no núcleo principal é obter uma permissão oficial da Oracle, certificada pelo advogado principal e melhor pelo próprio Larry Ellison.

“E, honestamente, não há como mesclar nenhum dos esforços do ZFS até você receber uma carta oficial da Oracle assinada pelo seu consultor jurídico principal ou preferencialmente pelo próprio Larry Ellison dizendo que sim, que não há problema em fazê-lo e que o resultado final pode ser tratado como uma licença GPL.”

Soluções intermediárias, como as camadas entre o kernel e o código ZFS, não são aceitáveis, dada a política agressiva da Oracle em relação à propriedade intelectual nas interfaces do programa (por exemplo, o teste de Java da API do Google) .

“E não estou interessado em algo sobre uma ‘camada adequada ao ZFS’, que algumas pessoas pensam que isolaria os dois projetos. Isso não agrega valor ao nosso lado e, dada a demanda por direitos autorais na interface Oracle (consulte Java), também não acho que seja um ganho real de licença.”

Além disso, Linus acredita que o desejo de usar o ZFS é apenas uma homenagem à moda e não às vantagens técnicas.

“Não use o ZFS. É simples assim. Sempre foi mais uma palavra da moda do que qualquer outra coisa, eu acho, e os problemas de licenciamento simplesmente não são um começo para mim.”

Por fim, os testes de desempenho que Linus estudou não testemunham a favor do ZFS e a falta de suporte total não garante estabilidade a longo prazo.

“Os testes de desempenho que eu vi não fazem o ZFS parecer tão bom. E até onde eu sei, ele não tem mais manutenção real; portanto, do ponto de vista da estabilidade a longo prazo, por que você gostaria de usá-lo em primeiro lugar?”


Resumindo, e vendo que desta vez as explicações são fáceis de entender, Linus Torvalds tem dois motivos para desconsiderar a inclusão do ZFS no Linux: primeiro porque a licença não permite, e segundo, porque ele não vê no sistema de arquivos um tecnologia tão relevante quanto muitas pessoas comentam, em parte porque em suas palavras ele não tem mais nenhuma manutenção ativa.

Como dto antes, o ZFS é distribuído sob a licença CDDL que é incompatível com a GPLv2, pois não permite a integração do ZFS no Linux na ramificação principal do kernel do Linux, pois a mistura de código nas licenças GPLv2 e CDDL é inaceitável.

Para evitar essa incompatibilidade com uma licença, o projeto ZFS no Linux decidiu distribuir todo o produto sob a licença CDDL como um módulo para download separado, que é fornecido separadamente do kernel.

A possibilidade de distribuir o módulo ZFS finalizado como parte das distribuições está causando polêmica entre os advogados.

Os advogados da Software Freedom Conservancy (SFC) acreditam que a entrega de um módulo principal binário em um pacote de distribuição forma um produto combinado com a GPL que requer a distribuição do trabalho final sob a GPL.

Os advogados discordam e argumentam que a entrega do módulo zfs é permitida se o componente for fornecido como um módulo independente, separado do pacote principal. A Canonical observa que há muito tempo as distribuições usam uma abordagem semelhante para fornecer drivers proprietários, como drivers da NVIDIA.

O outro lado responde que o problema de compatibilidade com o kernel nos controladores proprietários é resolvido fornecendo uma pequena camada distribuída sob a licença GPL (um módulo sob a licença GPL é carregado no kernel, que já carrega os componentes proprietários).

Para o ZFS, essa camada só pode ser preparada se o Oracle fornecer exceções licenciadas.

No Oracle Linux, a incompatibilidade da GPL é resolvida fornecendo à Oracle uma exceção de licença que elimina o requisito de licença para o trabalho CDDL combinado, mas essa exceção não se aplica a outras distribuições.

Uma solução alternativa é fornecer apenas o código-fonte do módulo na distribuição, o que não leva à vinculação e é considerado como a entrega de dois produtos separados.

O Debian usa o sistema DKMS (Dynamic Kernel Module Support) para isso, no qual o módulo é fornecido no código fonte e montado no sistema do usuário, imediatamente após a instalação do pacote.
Fonte: https://www.realworldtech.com/

O que está sendo falado no blog

Veja mais artigos publicados neste dia…

Related Posts

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Alterar definições de privacidade