Do not speak Portuguese? Translate this site with Google or Bing Translator

Por que Eric Raymond acha que o Windows perderá a guerra dos desktops para o Linux?

Entenda por que Eric Raymond acha que o Windows perderá a guerra dos desktops para o Linux, mesmo com o sistema da Microsoft ainda sendo o número um no Desktop.

Na semana passada, Eric Steven Raymond (também conhecido como ESR) escreveu um artigo argumentando que esta pode ser a última fase da guerra entre desktops e que o Linux acabará ganhando com elegância. Mas como?

Como ele observou, o Linux não substituirá o Windows; em vez disso, o Windows se tornará uma camada de emulação no topo do kernel do Linux.

Por que Eric Raymond acha que o Windows perderá a guerra dos desktops para o Linux?

Por que Eric Raymond acha que o Windows perderá a guerra dos desktops para o Linux?
Por que Eric Raymond acha que o Windows perderá a guerra dos desktops para o Linux?

Antes de prosseguirmos com o argumento, deixe-me dizer que Eric S. Raymond é um defensor do código aberto e um escritor, amplamente conhecido por sua obra mais popular “A Catedral e o Bazar”.

Além de seus vários artigos, ele também foi cofundador e presidente até 2005 da Open Source Initiative.

Obviamente, um dos motivos que ele mencionou é o desenvolvimento gradual do Windows Subsystem for Linux (WSL), que continua adicionando recursos para facilitar a execução nativa de executáveis ​​binários do Linux no Windows 10.

A Microsoft começou isso com WSL, depois o atualizou totalmente para lançar WSL 2, que trouxe o kernel Linux completo para Windows 10, Linux File Integration, DirectX no Linux, sistema de arquivos Linux e muito mais para vir como o aplicativo Linux GUI.

Além do WSL, a Microsoft também confirmou recentemente que lançará as primeiras amostras do Microsoft Edge para Linux em outubro. E como podemos esquecer a grande aposta da Microsoft, o Azure, uma plataforma de computação em nuvem, e o sistema operacional Azure Sphere oficial baseado em Linux?

De acordo com Eric, o fluxo de receita da Microsoft mudou desde o lançamento de seu serviço de nuvem em 2010, já que o Azure agora ganha a maior parte de seu dinheiro.

Paralelamente, as vendas de desktops convencionais também estão diminuindo, o que resulta na queda dos investimentos em desenvolvimento para Windows.

É por isso que a Microsoft acabará preferindo colocar mais investimento de capital no Azure do que continuar o desenvolvimento do Windows. A ironia é que o Linux já é o sistema operacional mais procurado no Azure.

Por último, mas não menos importante, Eric acredita que o Proton também tem um papel importante a desempenhar para o Linux vencer as guerras de desktops. Proton é uma camada de emulação baseada em Wine que permite que jogos do Microsoft Windows sejam executados em sistemas operacionais baseados em Linux.

Com o Proton, ainda não perfeito, chegando perto o suficiente para rodar o software comercial do Windows no Linux, a Microsoft começará a reduzir seus custos de desenvolvimento para manter o Windows 10.

No final, Raymond vê o novo Windows como uma camada de emulação no topo do kernel do Linux, suporte para ferramentas compatíveis com o Windows migrando para o Linux e a Microsoft se concentrando tanto no Azure que parará de gastar dinheiro no Windows. Eventualmente, o fim da camada de emulação do Windows também.

Compartilhe:
Sobre o Edivaldo Brito

Edivaldo Brito é analista de sistemas, gestor de TI, blogueiro e também um grande fã de sistemas operacionais, banco de dados, software livre, redes, programação, dispositivos móveis e tudo mais que envolve tecnologia.