Do not speak Portuguese? Translate this site with Google or Bing Translator

Redis 6.0 já foi lançado e chega com várias melhorias notáveis

O Redis Labs anunciou o lançamento do Redis 6.0, que chega com várias melhorias notáveis. Confira as novidades desse poderoso SGBD.

Redis é um sistema de gerenciamento de banco de dados de valor-chave escalável, escrito em ANSI-C e distribuído sob a licença BSD.

Redis 6.0 já foi lançado e chega com várias melhorias notáveis
Redis 6.0 já foi lançado e chega com várias melhorias notáveis

O Redis é um mecanismo de banco de dados na memória, baseado no armazenamento em tabelas de hashes (chave/valor), mas que pode, opcionalmente, ser usado como um banco de dados durável ou persistente.
Como instalar a ferramenta RedisDesktopManager no Linux via Snap
Ele é escrito em ANSI C por Salvatore Sanfilippo, que é patrocinado pela Redis Labs e é lançado sob uma licença BSD para o que é considerado um software de código aberto.

Agora, a nova versão desse software, o Redis 6.0, já está disponível após quatro meses do lançamento da versão candidata RC1.

Novidades do Redis 6.0

Esta versão estável vem com modificações notáveis ​​nos novos recursos, como o novo protocolo RESP3, a função “cache do lado do cliente”, ACL (lista de controle de acesso), comandos Redis, arquivos RDB, etc.

Sim. Uma das principais novidades desta nova versão é o RESP3, um novo protocolo opcional que, de acordo com seus desenvolvedores, era necessário porque o protocolo antigo, RESP2, não era semântico o suficiente.

A ideia principal do RESP3 era a possibilidade de retornar tipos de dados complexos diretamente do Redis, sem que o cliente precisasse saber qual tipo converter as “matrizes simples” ou os números retornados em vez dos valores booleanos apropriados etc.
 
Outra novidade no Redis 6.0 é a ACL, destinada ao isolamento, para proteger os dados contra erros de aplicativos.

O ponto positivo dessa adição é que agora existe uma interface de módulo Redis para ACL, que permite escrever métodos de autenticação personalizados.

O cache aprimorado no lado do cliente é outra novidade nesta versão, pois foi redesenhado e abandonou a abordagem de cache de nicho em favor do uso de nomes de chave, que são a melhor abordagem.

Além disso, o recurso foi complementado pelo “modo de streaming”, que pode ser muito útil para adicionar um novo modo que requer que o servidor mantenha pouco ou nenhum status nos clientes.
 
Quando o modo de transmissão é usado, o servidor não tenta mais lembrar as chaves solicitadas por cada cliente.

Em vez disso, os clientes se inscrevem nos principais prefixos.

O resultado dessa alteração é que não há mais mensagens, mas apenas para os prefixos selecionados e não há esforço de memória no lado do servidor.

Além disso, o modo “opt-in/opt-out” agora é suportado; portanto, os usuários que não usam o modo de streaming podem informar ao servidor exatamente o que o cliente armazenará em cache para reduzir a quantidade de mensagens de invalidação.

Por outro lado, podemos encontrar melhorias na ACL; primeiro, um novo comando ACL LOG agora permite ver todos os clientes que violam ACLs, que acessam comandos que não deveriam e que acessam chaves que não podem acessar. acesso ou cujas tentativas de autenticação falharam.

Segundo, a função ACL GENPASS foi reimplantada, agora usando HMAC baseado em SHA256 e aceitando um argumento opcional para informar ao servidor quantos bits de sequência pseudo-aleatórios inutilizáveis ​​você deseja gerar.

O Redis gera uma chave interna quando o /dev/urandom inicia e depois usa o HMAC no modo contador para gerar os outros números aleatórios: dessa forma, você pode abusar da API e chamá-la sempre que quiser, porque será muito rápido, explicou o programador.

O aprimoramento do PSYNC2 permite que o Redis agora possa ressincronizar parcial e com mais frequência.

De fato, agora você pode reduzir os PINGs finais no protocolo, para que réplicas e mestres tenham mais probabilidade de encontrar um deslocamento comum.

Os comandos Redis com atraso no tempo aprimorados, não apenas o BLPOP e outros comandos que anteriormente aceitaram segundos, agora aceitam números decimais, mas a resolução real também foi aprimorada para nunca ser menor que o valor “HZ” atual, independentemente do número de clientes conectados.

Finalmente, outra das mudanças importantes nesta versão são os arquivos RDB aprimorados, com os quais eles agora são mais rápidos para carregar.

Dependendo da composição real do arquivo (valores maiores ou menores), você pode esperar uma melhoria de 20 a 30%, dependendo do desenvolvedor.

O comando INFO também é mais rápido agora quando vários clientes estão conectados, um problema antigo que foi finalmente resolvido.

Para saber mais sobre essa versão do yy, acesse a nota de lançamento.

O que está sendo falado no blog

Veja mais artigos publicados neste dia…
Compartilhe:
Sobre o Edivaldo Brito

Edivaldo Brito é analista de sistemas, gestor de TI, blogueiro e também um grande fã de sistemas operacionais, banco de dados, software livre, redes, programação, dispositivos móveis e tudo mais que envolve tecnologia.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.