Conheça melhor o openSUSE Leap e experimente essa distro

Aainda não usou a versão do openSUSE baseada no SUSE Linux Enterprise (SLE)? conheça melhor o openSUSE Leap!

Se você ainda não usou a versão do openSUSE baseada no SUSE Linux Enterprise (SLE), conheça melhor o openSUSE Leap e experimente.


Tanto a Red Hat quanto a Canonical têm distribuições empresariais livres: CentOS e Ubuntu, respectivamente. Até novembro de 2015, a SUSE não tinha uma “oferta” semelhante — pelo menos não oficialmente.
Conheça melhor o openSUSE Leap e experimente essa distro
Conheça melhor o openSUSE Leap e experimente essa distro

Tudo mudou com a chegada do Leap. Eu acompanhei pelas redes sociais o SUSECon 2015 quando a SUSE fez o anúncio.

Durante esse anuncio ficou claro de que o Leap seria uma ótima alternativa ao Ubuntu, CentoOS e Debian para servidores de produção. No entanto, mesmo após dois anos, muito pouco se sabe sobre Leap.

A seguir, você verá a minha interpretação do que é o Leap e alguns pontos interessantes dessa distro:

O Leap possui o DNA do SUSE Linux Enterprise (SLE)

O openSUSE Leap é compilado a partir do código-fonte do SLE. A primeira versão [42.1],  foi baseada no primeiro Service Pack de SLE 12, foi lançado pouco tempo depois.

Como isso vem funcionamento de lá pra cá é interessante: o SLE é baseado no openSUSE, tornando-se um upstream para o SLE. Ao mesmo tempo, o SLE adiciona pacotes e módulos conforme for necessário para seus clientes corporativos, o Leap se beneficiará com o compartilhamento desses mesmos pacotes. Assim, o SUSE é um upstream para o Leap.

Ao longo desses dois anos do lançamento do Leap fica visível que as equipes do openSUSE tem total liberdade sobre o que eles querem, mas na maioria dos casos, eles gostam de ter e manter um sistema tão maduro e estável como é o SLE. Assim, posso assumir com segurança que Leap e o SLE permanecerão muito semelhantes.

Não Há Mais Lançamentos a Cada 9 Meses

O openSUSE costumava seguir um ciclo de lançamento de 9 meses, onde uma nova versão principal, era lançada a cada nove meses.

Isso está acabando. O Leap segue atualmente o ciclo de liberação do SLE. Houve e ainda haverá grandes lançamentos em sincronia com os releases do SLE e Service Packs. E haverá também pequenos lançamentos, que trarão atualizações de distros como KDE e GNOME.

Isso significa que atualmente há menos trabalho para os usuários do openSUSE, que costumavam ter que atualizar seu sistema a cada 9 meses. Uma vez que esteja seguindo o SLE, cada versão terá uma vida muito mais longa.

É Maduro e Estável

Como o Leap vai acompanhar o SLE, seu foco central será sobre a maturidade e estabilidade.

Os clientes corporativos não podem pagar por pacotes instáveis, imaturos e não testados. Tudo tem que ser testado rigorosamente, para garantir que as coisas não venham a quebrar e causem perdas.

As equipes openSUSE criaram uma excelente ferramenta de teste chamada OpenQA, que também está sendo usada no Fedora, para automatizar testes.

A SUSE também está usando a ferramenta para o SLE, o que torna as próximas versões do SLE e Leap sejam mais estáveis do que nunca. Então, caso você esteja procurando uma distribuição sólida para sua infraestrutura, o Leap é essa distro.

Pacotes conservadores

Estes dois atributos — maturidade e estabilidade — vêm de pacotes bem testados e totalmente amadurecidos, o que também significa uma abordagem conservadora.

O Leap oferece apenas pacotes totalmente testados e estáveis, o que significa que eles não serão os mais recentes na maioria dos casos. Por exemplo, o Leap v42.3 vem com o GNOME v3.20 e não com o recém-lançado v3.26.

Por mais tentado que você possa estar, a instalação dos pacotes mais recentes só pode ser feita através de repositórios extras. Toda a ideia do Leap é manter o sistema sólido como uma rocha.

Ao contrário do Debian, que é conhecido por ser o sistema operacional mais estável, mas por ser muito rígido, os seus pacotes são muito antigos, já com openSUSE, você tem o melhor dos dois mundos: estável e maduro e também tem pacotes up-to-date.

No entanto, se você é aquela pessoa que sempre mantém seus softwares nas últimas versões e betas, o openSUSE Tumbleweed é o ideal para você.

Alimentando o servidor

A área onde openSUSE está realmente focando o Leap é em servidores. Até agora o openSUSE estava carente de ação em servidores. Na prática, o Leap é o CentOS e o Debian da SUSE.

A mudança de foco para a base SLE, e uma abordagem conservadora para o software, onde tudo é orientado para servidores.

O Fim dos LiveCDs

Não há LiveCD para o openSUSE Leap e não há planos para um LiveCD oficial, “especialmente nenhum que inclua um instalador”, disse ele Richard Brown durante o lançamento.

A “experiência anterior com instaladores de Live CDs nos ensinou que é limitado em comparação com o que podemos fazer com YaST em qualquer mídia de DVD completa ou a nossa pequena rede ISO”.

Brown mencionou que eles estão considerando um ‘portable Leap USB’ que poderia ser usado como um sistema operacional “persistente e portátil“.

Há algumas vezes em que as LiveCDs são úteis, como em casos de recuperação do sistema ou dar uma demonstração para usuários em potenciais sem formatação de seus discos rígidos.

Para esses cenários existem duas opções: use o Tumbleweed ou o SUSE Studio para criar um Live CD/DVD do openSUSE Leap ou use KIWI e OBS para construir uma live media.

Todos os Principais Ambientes de Desktop Estão Lá

Há muitas distribuições, principalmente o Ubuntu, que não permitem instalar ambientes desktop diferentes simultaneamente, devido conflitos de pacotes, fazendo com que quebrem o sistema.

Esse não é o caso do openSUSE, pelo menos, tanto quanto eu tenho experimentado.

Você pode instalar diversas DEs [Desktop Environment] lado a lado com o YaST usando padrões, e alternar entre eles a partir da tela de login. Eu faço muito isso para manter meu sistema atualizado com todos os outros ambientes.

Conclusão

Leap é um híbrido que traz a estabilidade que já conhecemos no Debian, o grau de dedicação do server CentOS, e a robustez de Ubuntu — tudo em uma única distro.

É apropriado para um usuário home que queira uma distribuição muito estável de classe corporativa para um PC; é perfeito para desenvolvedores, administradores de sistemas e entusiastas.

O verdadeiro foco do Leap está no mercado de servidores onde as empresas de hospedagem Web, VPS e provedores de nuvem pública possam ter agora um sistema operacional que os trazem mais perto de SUSE Linux Enterprise.

No Leap eu posso executar o mesmo sistema operacional em todos esses cenários. Devo admitir que, embora eu seja usuário openSUSE desde 2015, esta é a primeira vez que eu estou usando ele em servidores. Até agora estou contente. Usar um único sistema operacional para todos os meus sistemas facilita a gestão e manutenção deles.

O que está sendo falado no blog

Ajude a manter o Blog do Edivaldo - Faça uma doação

Se você gosta do conteúdo do Blog, você pode ajudar a manter o site simplesmente fazendo uma doação única, esporádica ou mensal, usando uma das opções abaixo:

Doação usando Paypal

Doação usando PagSeguro
Outras formas de ajudar a manter o Blog do Edivaldo



blog comments powered by Disqus