Do not speak Portuguese? Translate this site with Google or Bing Translator

E continua a batalha da Epic Games contra a Apple

E continua a batalha da Epic Games contra a Apple. Confira os últimos detalhes dessa briga que pode leva ao fim do monopólio das lojas de apps.

2021 parece um ano não muito bom para a tecnologia, e um dos maiores sinais disso é a batalha judicial da Epic Games contra a Apple.

E continua a batalha da Epic Games contra a Apple

E continua a batalha da Epic Games contra a Apple
E continua a batalha da Epic Games contra a Apple

Só poderia ser um daqueles jogos de tabuleiro de guerra que, em vez de dados e fichas, fosse jogado com escritores e advogados em todas as regiões do mundo.

Tudo começou no ano passado quando, para evitar a comissão de 30% exigida pelo Google e pela Apple, a Epic decidiu incluir uma opção de pagamento no Fornite que evitava o das lojas de aplicativos.

Fornite, lançado originalmente em 2017, inclui diferentes modos de jogo independentes que compartilham o mesmo motor e mecânica de jogo. Embora seja originalmente gratuito, inclui alguns recursos pagos.

A resposta da Apple e do Google à decisão da Epic foi retirar Fortnite de seus respectivos mercados, alegando que a empresa havia violado as obrigações contratuais assumidas ao participar dessas lojas de aplicativos.

A Epic, por sua vez, reagiu entrando com ações judiciais contra a Apple e o Google nos Estados Unidos, acusando os gigantes da tecnologia de se envolverem em práticas anticompetitivas e monopolistas devido às suas estruturas de comissão de 30%.

Na ação, a empresa declarou:

“A Apple se tornou o que uma vez criticou: o gigante que busca controlar mercados, bloquear a competição e sufocar a inovação. A Apple é maior, mais poderosa, mais entrincheirada e mais perniciosa do que os monopolistas de outrora. Com uma capitalização de mercado de quase US$ 2 trilhões, o tamanho e alcance da Apple excede em muito o de qualquer monopolista de tecnologia na história.”

A Epic Games então entrou com processos semelhantes em várias jurisdições – incluindo Austrália, UE e Reino Unido – levantando alegações semelhantes.

O processo no Reino Unido foi indeferido, mas não porque o tribunal pensasse que não havia práticas monopolistas. De acordo com o Tribunal, embora a subsidiária do Reino Unido forneça pesquisa e desenvolvimento e outros serviços técnicos para outras divisões da Apple, isso não inclui suporte para questões relacionadas a tecnologia ou sistemas.

Em outras palavras, no território de Sua Majestade não está decidido quais aplicativos entram ou podem permanecer na loja de aplicativos.

No entanto, nem tudo foi ruim para a Epic, pois o juiz considerou que, não fosse por esse detalhe, o caso poderia ter sido processado nos tribunais britânicos.

No caso australiano, um juiz rejeitou o caso com base em um tecnicismo jurídico conhecido como ‘jurisdição exclusiva’. Cláusulas de jurisdição exclusiva impedem que certos processos sejam processados ​​em um tribunal australiano se o mesmo caso estiver sendo julgado em outro país.

Em resposta ao pedido de recurso da Epic, três juízes do Tribunal Federal consideraram que o Chefe de Justiça errou ao conceder a suspensão do processo, visto que essas são questões fundamentais de interesse público em relação à conduta realizada em um submercado australiano.

E isso afeta uma empresa australiana que não faz parte da cláusula de jurisdição exclusiva. Além disso, afirmaram que o interesse público prevalece sobre as cláusulas de competência exclusiva.

Os juízes descobriram que limitar a Epic Games para litigar este processo nos Estados Unidos privaria a empresa de uma vantagem forense legítima que poderia surgir de litígios da lei australiana.

Por sua vez, a Apple não ficou parada.

A empresa da maçã entrou com uma intimação contra a Valve solicitando informações sobre as vendas anuais da empresa, receita e preços de aplicativos da loja Steam.

Não que a Valve faça parte do mercado. A Apple diz que pede essas informações porque alega que precisa delas para calcular o tamanho do mercado e apoiar sua defesa.

A Valve concordou em enviar documentos relativos à sua divisão de receita, concorrência com a Epic, contratos de distribuição do Steam e outros aspectos de seus negócios. No entanto, não forneceu informações sobre os preços, por serem confidenciais e de difícil coleta.

Embora seja prematuro, acho que podemos esperar o fim do monopólio das lojas de aplicativos com algum otimismo.

Compartilhe:
Sobre o Edivaldo Brito

Edivaldo Brito é analista de sistemas, gestor de TI, blogueiro e também um grande fã de sistemas operacionais, banco de dados, software livre, redes, programação, dispositivos móveis e tudo mais que envolve tecnologia.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.