Do not speak Portuguese? Translate this site with Google or Bing Translator

Unified Patents, Microsoft, Linux Foundation e OIN contra os trolls de patentes

Confira os detalhes da luta da Unified Patents, Microsoft, Linux Foundation e OIN contra os trolls de patentes, em prol do software livre.

Sem dúvida, o caso que a Gnome sofreu há alguns meses em relação ao caso do processo por um troll de patentes, deixou precedentes que fizeram vários grupos e organizações tomarem medidas sobre o assunto para colocá-los mantidos (para chamá-los assim em uma maneira bastante suave).

Os trolls de patentes, ou Entidades de Asserção de Patentes (PAEs), há muito atormentam o software livre.

Unified Patents, Microsoft, Linux Foundation e OIN contra os trolls de patentes

Unified Patents, Microsoft, Linux Foundation e OIN contra os trolls de patentes
Unified Patents, Microsoft, Linux Foundation e OIN contra os trolls de patentes

No entanto, ao longo dos anos, outros grupos se levantaram para impedir que empresas e organizações que realmente usam patentes de propriedade intelectual (PI) fossem roubadas.

Um desses grupos, Unified Patents, uma organização internacional de mais de 200 empresas, foi vitorioso nos últimos dois anos ao levar a luta aos trolls.

Impede que trolls de patentes ataquem seus membros, tornando a vitória muito cara para o troll. Para isso, o grupo examina as patentes dos trolls e suas atividades em diversos setores tecnológicos.

A certa altura é perceptível que o trabalho destes pelafustanos pode ser compreensível, é algo semelhante ao que é feito pelas empresas ou grupos que compram a carteira de devedores a bancos ou entidades financeiras para poderem recuperar algo superior o que foi comprado.

Embora neste sector estes Trolls a sua actividade seja adquirir patentes para os opor a terceiros. No entanto, parece que existem tantas variações dessa formulação básica quanto existem empresas, mas neste caso elas devem estudar o caso um pouco mais, pois podem esbarrar em um muro.

A maioria das ameaças de patentes, 80% de acordo com a Unified Patents, vem de trolls.

“Os ataques continuam a aumentar. “A razão é simples. é lucrativo. Além de tirar vantagem de grandes corporações, os trolls de patentes estão agora atacando pequenas empresas que não têm recursos para combatê-los.” Seria mais barato para eles pagar chantagem de propriedade intelectual do que combatê-los no tribunal.”

As disputas de trolls de software de código aberto atingiram um recorde histórico de 721 casos em 2021. Isso representa um aumento de quase 22% em relação a 2020.

Esses EAPs incluem Sound View, Sockeye Licensing, St. Luke, MicroPairing, Level 3, Finjan, WSOU Investments e Unilco 2017.

Os nomes mudam, mas o jogo permanece o mesmo.

“Compre patentes, espere que alguém use suas ideias para criar um programa lucrativo e depois processe.”

Mesmo antes do lançamento oficial da OSS Zone, a Unified Patents e a Open Invention Network (OIN), o maior grupo de não agressão de patentes do mundo, iniciaram ações judiciais contra patentes de má qualidade pertencentes à EAP.

A Linux Foundation e a Microsoft fizeram uma parceria com a OIN para dar suporte ao OSS Zone e lutar contra essas patentes ruins.

A Microsoft recentemente se juntou à Open Invention Network (OIN). “Desde sua fundação em 2005, a OIN tem estado na vanguarda de ajudar as empresas a gerenciar o risco de patentes e estamos honrados em fazer parte dela.

A reação dos membros da comunidade de código aberto a esta notícia foi tremenda, incluindo boas perguntas sobre o que nossa associação significa para os desenvolvedores. Conversamos com Erich Andersen da Microsoft para obter mais detalhes sobre algumas das perguntas mais frequentes.

A Unified Patents também incentiva os desenvolvedores e pesquisadores a buscarem a técnica anterior para quebrar patentes ruins. Pesquisas bem-sucedidas ganham US$ 2.000 para seus vencedores.

“Tenho o prazer de anunciar que a Microsoft está se juntando à OIN, uma comunidade dedicada a proteger o Linux e outros softwares livres contra riscos de patentes.”

É um trabalho muito útil. Como Jim Zemlin, diretor executivo da Linux Foundation, explica:

“Esta é uma rota útil quando a invenção reivindicada já era técnica anterior, como evidenciado por patentes existentes, código publicamente disponível em repositórios de software livre ou publicações impressas que estavam disponíveis no momento em que uma patente estava pendente. Trata-se essencialmente de verificar se um elemento importante escapou ao examinador que autorizou a concessão da patente como nova invenção.”

Sobre o Edivaldo Brito

Edivaldo Brito é analista de sistemas, gestor de TI, blogueiro e também um grande fã de sistemas operacionais, banco de dados, software livre, redes, programação, dispositivos móveis e tudo mais que envolve tecnologia.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.